O Samba e o Sabiá

Nós já éramos frequentadores assíduos daquela magnífica roda de samba quinzenal da Rua Ouvidor. A voz monumental de Gabriel Cavalcante que não só nos embala, mas também nos ensina ao cantar sambas que foram registrados em gravações raríssimas da história de nossa música é simplesmente imperdível. Lá estávamos, religiosamente, fazendo parte daquele belíssimo quadro pintado durante dois anos sempre pelos mesmos músicos, amigos, bêbados e turistas de todos os lugares do mundo.

Por motivo de força maior, a roda girou um pouco e mudou de endereço. No dia seis de fevereiro, sábado passado, passou a alegrar a simpática Rua do Mercado, esquina com a bela Ouvidor. Novos bares, novos restaurantes e os mesmos amigos de sempre. Quer dizer, havia um espectador novo, profissional de nascença e de ouvido acuradíssimo que tudo via e ouvia de um certo ângulo ímpar devido à sua própria espécie.

Os músicos estavam bem embaixo de uma amendoeira e um sabiá acompanhava todo o movimento da janela do prédio em frente. De vez em quando sobrevoava a amendoeira e voltava para a sacada. Eu já o havia notado, mas pensei que fosse uma rolinha (o que não mudava em quase nada a delicadeza da cena). Bete, nossa amiga bióloga e meio metida a “ornitorrinca” como disse Luís Manuel, afirmou que o passarinho certamente estava com um ninho na árvore e receoso pelos filhotes. O primeiro a identificá-lo como sabiá foi o nosso amigo Perereca que ganhou esse apelido devido às suas habilidades de pular como a tal. Baseada na certeza acintosa de Perereca, recusei-me, por filosofia de vida, a acreditar que o pássaro imortalizado por Gonçalves Dias estivesse incomodado com o coro alegre e uníssono que vinha da rua.

Hoje de manhã consultei o gúgol, o pai virtual dos ignorantes, e descobri que o sabiá se juntou oficialmente aos quatro outros símbolos nacionais – a bandeira, o hino, o brasão de armas e o selo, tendo a mesma importância deles na representação do nosso país. Ele foi escolhido não pela sua beleza que é superada facilmente pelo Tucano ou por outros que tem até coloração verde e amarela em suas penas, nem tão pouco foi escolhido pelo seu canto, como pensariam alguns. O canto do sabiá, afirmam os ornitólogos, é facilmente influenciado por pássaros de outras espécies e por isso dizem, agora veja, que ele até tem um canto imperfeito! Por que, então, ele foi o predileto? Para ser um símbolo-vivo tem que ter um certo quê de popularidade e ele está ricamente presente na nossa literatura, nas nossas músicas e nas nossas poesias. Além disso, eles realmente permitem proximidade com o povo seja das cidades ou dos campos.

Era isso. Eu estava certa quando sublimei a teoria de minha amiga Bete. O passarinho não estava triste. Ele estava realmente participando daquele movimento cultural e se deixando influenciar pela voz de Gabriel, fazendo jus ao título que lhe concederam. E eu acreditando, cegamente, mais uma vez na beleza do quadro, ando contando para todo mundo que cantamos e sambamos na presença voluntária de um sabiá.

7 Comentários

Arquivado em Crônicas

7 Respostas para “O Samba e o Sabiá

  1. Que barato, Elika. Samba e sabiá, que mistura fina!Parabéns pela blogada feliz.

    Curtir

  2. Então a rolinha era realmente um sabiá, ou uma sabiá como diria o Tom…… que cantou e sambou conosco.E sobrevoamos todos encantados que estávamos pelo som maravilhoso da Rua.Excelente texto e providencial registro deste belo quadro que ficará marcado em nossa memória como o dia da volta do samba ou o dia do sabiá no samba.Parabéns minha linda!

    Curtir

  3. OLá, sabiá, samba e sensiblidade é a mistura perfeita para um texto sonoro. Dos passarinhos da infância que aprendi a cuidar em cativeiro, o sabiá sempe alegre, adora tomar banho e como canta. Mas isto é uma outra estória… Abraços

    Curtir

  4. Nossos sambas são sempre muito amigos e, desta vez, tivemos a presença da sabiá, que, apesar de preocupada com sua família, nos proporcionou momentos de pura poesia. Beijos pela inspiração.

    Curtir

  5. Todos nós temos a mania de ver nos animais atitudes que o tornam quase humanos, são apenas animais por um acidente da natureza. Os gatos estão frequentam psicólogos, os pássaros ficam tristes, e o cachorro com muito pelo tem muito calor porque fica deitado com as patas abertas e com a barriga no piso gelado. Interessante é que depois de cortar os pelos, afinal de contas, fiquei com dó do coitadinho, ele continuou com o hábito de antes. Mas sabiá e samba tem tudo a ver, pelo menos em português. Parabéns. Você sempre se aprimora, a cada texto que passa. Beijos.

    Curtir

  6. AAAh com certeza o sabiá veio acompanhar toda aquela alegria e musica que invadia a sua sala de estar(o ninho)e realmente como que existem musicas brasileiras que tem a presença do sabiá… com certeza ele sabia disso…bjoos

    Curtir

  7. Ôi Elika!Bom ler seu blog, sempre com assuntos que nos chama atenção!Lá no meu blog tem um sêlo que eu indiquei pra você quando for possível passa lá e pega.Beijos!!

    Curtir

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s