Fé na Kátia

Hoje Nara, minha filha de 13 anos, está fazendo prova final pela primeira vez na vida. Ao contrário de seu irmão mais velho Hideo que nem diante de uma possível reprovação perde o sono, Nara entrou em pânico e mesmo tendo estudado muito mais do que manda a cartilha, se julgou incapaz de tirar a mixaria de nota necessária para ser aprovada em matemática. Eis que uma novela mexicana fez-se presente em minha casa desde ontem com minha filha atuando no papel principal. Mãe, me ajuda. Mãe, tô desesperada. Mãe, vou morrrreeeeerrr. Jesuis… Nunca lidei com isso e não tinha a menor noção do que deveria fazer para melhorar a situação.
Atéia por parte de pai, não poderia recomendar que Nara orasse. Por falta de criatividade, reconhecimento, psicologia e quem sabe por falta de Deus eu falei:
– Afe, Nara, para de drama e vai estudar!
 Qual o quê…
– Mãe, eu já estudei tudo! Mãe, eu não sei nada! Mãe, vai me dar branco! Mãe, são 20 questões! Mãe, não vai dar tempo!  Mãe, isso! Mãe, aquilo! – Nara falava numa tal frequência que eu cheguei a temer pelos copos de requeijão aqui em casa.
– Vai ler Crepúsculo!  – Apelei.
– Mãe, não consigo ler nada! Mãe, fala alguma coisa! Mãe, me acalma! Mãe, blá  blá blá… – e nesse frenesi ela teve um repente e se virou para mim e perguntou – Mãe, você ficava nervosa antes de fazer prova?
Caramba.  Só de pensar em prova me dá taquicardia. Até hoje fico desesperada. Choro. Vomito. Tenho dor de barriga. Ligo para minha mãe de cinco em cinco minutos. Tenho insônia e se durmo, pesadelo. Quando acordo desejo a morte.
– E o que você faz para se acalmar?- Perguntou-me curiosa minha filha, na esperança de encontrar com as minhas sábias palavras a cura para aquela exasperação.
– Ãh? Eu? Eu ligo pra Kátia.
Kátia trabalhou como empregada doméstica na casa de mamãe e acompanhou toda a minha transformação de menina para mulher. Avisava-me quando mamãe chegava para eu sair do telefone e ir para o quarto correndo sentar-me à escrivaninha que estava cheia de livros abertos. Convencia mamãe a me deixar sair com as amigas mesmo sabendo que eu estava indo namorar escondido. Fritava um ovo e colocava no pão sempre que eu voltava da natação cheia de fome. Ouvia tudo o que eu tinha para dizer para meus namoradinhos antes de terminar o relacionamento com eles. Opinava sempre. Ensinou-me tudo o que eu sei sobre política. Fazia café fresquinho quando eu estava com dor de cabeça. Ensinou-me a não desperdiçar comida. Contava-me piadas sujas e pesadas… e mais um tantão de coisas Kátia fez por mim nessa vida, mas principalmente, em todas as provas que eu enfrentei nessa jornada, Kátia acendeu uma vela para mim e me dizia: “Fique calma, minha filha, a Kátia acendeu uma vela para você. Eu tenho certeza que vai dar tudo certo”. E nem havia mais necessidade de estudar depois disso. Era o lexotan que eu precisava e sempre foi assim.
Os anos passaram, casei-me, e Kátia veio trabalhar na minha casa.  Meu marido, porém, não suportou tamanha dedicação. Kátia se metia em tudo o que devia e não devia. Mandava na gente como se fosse um chefe brabo e surtava com a minha bagunça como sei lá, meu deus, vai entender a cabeça da Kátia…ela escondia tudo quanto é papel jogado pela casa entre meus livros e dizia que era para eu me disciplinar. Proibiu-nos de ter bicho de estimação. Se Nelson me tratasse com pouco carinho, mal ele dava às costas, ela vinha me convencer de que eu conseguiria algo melhor. Kátia não tirava férias porque dizia que amava botar ordem na minha casa e na minha vida.  Eu não sabia mais o que fazer com ela… Acabou que arrumamos uma outra casa para a maluca trabalhar e com uma boa desculpa e muito carinho consegui me desvencilhar desse afeto desmedido e deixá-la até financeiramente bem melhor do que quando trabalhava para mim.
A amizade, porém, continua até hoje e mesmo sem ser a minha empregada e termos perdido muito da convivência por conta disso, as velas da Kátia foram acesas, a meu pedido, em todos os concursos públicos que eu fiz e em todos os congressos e simpósios que eu já participei. E não exagero em dizer, que graças a ela eu cheguei aonde eu cheguei. Nos momentos mais tensos em que eu fui avaliada, antes de começar a falar ou a escrever, a imagem da Kátia acendendo a vela para mim, inexplicavelmente, me dava a paz necessária e que faltou para muitos dos meus concorrentes.
Nara ao ouvir toda essa história questionando se eu não havia tido sucesso porque sempre me matei de estudar e entendendo, ao longo da minha explanação, que o conhecimento é necessário mas, às vezes, não suficiente, pegou o meu celular e começou a ligar convulsivamente para Kátia. Ao perceber que do outro lado da linha o telefone tocava e ninguém atendia, Nara ficou mais nervosa. Eu, ainda desprovida de criatividade, psicologia e o diabo necessário para acalmar minha filha, mas percebendo que Nara não captou a história em sua plenitude, falei:
– Também não sei se ia adiantar no seu caso. A Kátia me ama e acho que isso é essencial para que a macumba funcione. – Abusei da sinceridade e a deixei pensando no quarto.
Hoje voltei do trabalho voando para dar tempo de levá-la para fazer a tal prova bem no meio da tarde. Ao vê-la entrar no carro em câmara lenta e com cara de paisagem sem poluição perguntei se ela estava pronta e preparada. Nara me olhou e disse seguramente que sim.  Contou-me que ontem mesmo, via skype, conversou com os primos de Florianópolis um tempão sobre essa história toda e hoje de manhã, Ian, meu querido sobrinho e afilhado, ligou aqui para casa e disse que ela poderia ficar tranquila. A vela havia sido acesa. Foi o que bastou para Nara recuperar a segurança e sobriedade.
E agora, enquanto minha filha está lá, super tranquilinha e confiante fazendo uma provinha de matemática cá estou refletindo sobre o quão sem importância é essa garantia de acreditar que entendemos alguma coisa. O quanto ‘viver ultrapassa qualquer entendimento’. E que poder incrível qualquer gesto de carinho tem em aquietar a nossa demência, não?
————–

Se você gostou desse poderá gostar também de:
Raciocínio Lógico

25 Comentários

Arquivado em Crônicas, Religião

25 Respostas para “Fé na Kátia

  1. É verdade! Nós, seres humanos, somos eternos carentes de amor. E acho que isso é bom, no final das contas.O que mostra ser completamente inútil tentar nos convencer de que somos pessoas independentes e que nos bastamos. Pura ilusão.A propósito, você daria uma ótima cristã! Parabéns pelo blog.

    Curtir

  2. Caro Anônimo,Eu já fui cristã e não houve padre que me aguentasse.=PObrigada pelo comentário.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Fala pra ela que eu já passei por cerca de 50 provas finais e, dentro das CNTP, minha vida profissional deu certo. PS: Segundo uma professora que fez minha avaliação pós-jardim de infância no extinto Colégio Pernalonga de Ipanema, eu demonstrava necessidades imediatas de "suprir deficiências em matemática mais comunicação e expressão". A julgar pelo resto da série histórica…

    Curtir

  4. Lidar com o julgamento dos outros é mole tanto para mim quanto para a Nara, Paulo.O problema é lidar com a nossa própria opinião obre nós mesmos…Nesse caso, para mim, só a vela da Kátia.=)

    Curtir

  5. AHÁ!!!! Foi por isso que a Nara não foi na sua avaliação de final de ano !!!!! Caramba! Ela podia ter se distraído um pouco, ouvido uns elogios e trocado desesperos com os outros que também farão prova!!!! Isso ajudaria a ela (e a você)!! Á propósito, adorei a Kátia. Manda ela aqui pra casa!!! bjão, andréa!!!

    Curtir

  6. Artista no meu blog!Que chíquis!!!!Andréa, Kátia já esteve presente em algumas apresentações da Nara. Na próxima vou apresentá-la para vc, ok?=)Beijão procê!

    Curtir

  7. Mãe, adoreeei o texto! Fiquei emocionada =3 ! Cadê a parte que eu pergunto o porquê da Kátia não me amar?

    Curtir

  8. Nara,Que bom que dessa vez vc não brigou comigo por eu ficar contando histórias de nós duas do meu referencial.E muito "mais bom" ainda saber que vc ficou emocionada.E qto a parte que vc deu falta…eu sublimei mesmo por não entender como alguém nesse mundo que tenha te conhecido e tenha conversado com vc mesmo que por 1 minuto não te amar loucamente.Ooowwwnnn=)

    Curtir

  9. Adorei!Fé na Kátia é ótimo.E o pior é que vc acredita mesmo na história da vela. Até hoje.

    Curtir

  10. Olha só, a ateia grudada na vela…Nem tanto ao Céu, nem tanto à Terra, vamos aceitar que nada é 100%, que Macumba em boa causa, quando temos fé – e o que é Fé para vc??? – funciona e pronto! bjs mil

    Curtir

  11. Eis o momento esperado em que a minha moral se apaga quando a vela se acende.=)

    Curtir

  12. Pois é… Este e o último posts mostram que você já está entendendo o sentido do riscado.

    Curtir

  13. Caro anônimo,Do riscado ninguém entende o sentido, não?=/

    Curtir

  14. Adorei o texto ! me lembrou da minha primeira prova final no colégio ..acho que eu devia ter a mesma idade da Nara, rs rsE lendo a sua resposta a Nara preciso dizer que não só ela, mas todos vocês são apaixonantes !Grande beijo

    Curtir

  15. Linda!!!!Amo quando vc aparece!!!Grande beijo para vc!!!

    Curtir

  16. A vida é linda por seus mistérios e nós a amamos por não a entendermos em sua plenitude.Parabéns pelo belo texto e pela rica narrativa que nos remete ao momento do acontecido.

    Curtir

  17. Ué, Maza… não havia já lido esse? Mil vivas ao feicebuque. =)Obrigada de sempre pelo seu apoio moral aos meus devaneios.Beijo procê!

    Curtir

  18. Tom

    Demorei pra ler esse texto, mas valeu! Obrigado por divulgá-lo no FB. Bjs.

    Curtir

  19. Tom

    Em tempo: isso me lembra aqueles primeiros versos da canção do Caetano: "Quem é ateu, e viu milagres como eu…"

    Curtir

  20. Sempre pensei na katia como uma pessoa q marcou muito minha vida, mas nunca parei pra pensar no impacto q teve na de vcs! Engraçado, né? Como uma pessoa pode ter participado intensamente da vida de toda uma família, e em várias gerações, sem ter nenhum laço biológico a atando a nós, somente puro carinho. E engraçado tb como a nara eh previsível rs… Quando cheguei na parte da macumba com amor, tive certeza q ela ia questionar pq a katia não a ama! Até consegui ouvir a vozinha aguda reclamando! E aqui tá ela nos comentários confirmando o q eu tinha pensado. Muito bom o texto, mais uma vez parabéns!

    Curtir

  21. Sempre pensei na katia como uma pessoa q marcou muito minha vida, mas nunca parei pra pensar no impacto q teve na de vcs! Engraçado, né? Como uma pessoa pode ter participado intensamente da vida de toda uma família, e em várias gerações, sem ter nenhum laço biológico a atando a nós, somente puro carinho. E engraçado tb como a nara eh previsível rs… Quando cheguei na parte da macumba com amor, tive certeza q ela ia questionar pq a katia não a ama! Até consegui ouvir a vozinha aguda reclamando! E aqui tá ela nos comentários confirmando o q eu tinha pensado. Muito bom o texto, mais uma vez parabéns!

    Curtir

  22. Sempre pensei na katia como uma pessoa q marcou muito minha vida, mas nunca parei pra pensar no impacto q teve na de vcs! Engraçado, né? Como uma pessoa pode ter participado intensamente da vida de toda uma família, e em várias gerações, sem ter nenhum laço biológico a atando a nós, somente puro carinho. E engraçado tb como a nara eh previsível rs… Quando cheguei na parte da macumba com amor, tive certeza q ela ia questionar pq a katia não a ama! Até consegui ouvir a vozinha aguda reclamando! E aqui tá ela nos comentários confirmando o q eu tinha pensado. Muito bom o texto, mais uma vez parabéns!

    Curtir

  23. Nossa, eu me identifiquei muito agora. Nada me deixa mais confiante pra fazer prova do que minha mãe me avisar que acendeu uma velinha pra mim! rsrs

    Curtir

  24. Pingback: Fé na Kátia – Título do site

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s