A Arte e a Ciência (2)

porteira1

Já tem alguns dias em que comecei a ler Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato para o Yuki.  Esse livro por muito pouco não foi proibido por conter passagens racistas com a Tia Nastácia. A despeito de Monteiro Lobato ter me chamado a atenção de uma forma negativa em algumas partes da narrativa, Caçadas de Pedrinho arrancou do Yuki altas risadas a ponto d´eu correr na livraria e comprar Reinações de Narizinho. E foi lendo esse livro que um fato se deu.

Numa passagem em que a Dona Aranha – que é manca – está falando com a Narizinho e contando que já teceu lindos vestidos para muitas princesas, Narizinho pergunta: e para Branca de Neve também costurou? Como não? Responde Dona Aranha. Pois foi justamente quando eu estava tecendo o véu de noiva de Branca que fiquei aleijada. A tesoura caiu-me sobre o pé esquerdo, rachando o osso aqui neste lugar. Fui tratada pelo doutor Caramujo, que é um médico muito bom. Sarei, embora ficasse manca pelo resto da vi… Cara, peraí! Interrompeu-me Yuki. E desde quando aranha tem osso??? E desde quando você sabe que aranha não tem osso? Desde que vi a tia falando na aula de ciências que a aranha é um aracnídeo e que o esqueleto dela é a “casca”. Quando a aranha cresce, ela troca de esqueleto como se tirasse uma roupa. Então, que história é essa, mãe?!? Ué! Já vimos boneca andando, peixe falando, besouro cantando, uma baratinha que é a Dona Carochinha de óculos e brigando! com a Narizinho… e você vem questionar a veracidade da história agora? Por que não posso ter uma aranha com osso? Só porque a “ciência” disse que não existe? E o que a ciência diz existir, existe de fato???

Yuki passou batido pela minha viagem filosófica, é claro. Me olhou como se eu fosse um ET. Pensou certamente nos outros personagens e viu que nada daquilo tinha mesmo sentido. Por fim disse: agora você me pegou… Tá. Pode continuar.

Continuei até Yuki fechar os olhos ainda com o sorriso no rosto. Mas eu… custei a dormir.

Estávamos no mundo da imaginação onde tudo era permitido e a ciência apareceu para frear a viagem criativa da minha criança. Arte e ciência pareceram, assim, universos beeeeem distantes naquele momento. Mas será de fato isso? Será que os cientistas assassinaram o Sol, transformando-o numa bola de fogo com manchas e aranhas em aracnídeos? Pensar cientificamente é proibir que a emoção se meta? Como observamos a rotação interna do Sol? Os cientistas só trabalham com imagens realistas? Há alguma imaginação mais simbólica do que os números? O que seria uma fórmula química? Por que acreditamos nas imagens que construímos com os microscópios eletrônicos? Não estamos amparados por uma teoria ao construí-las? Novas teorias não são novas representações? E as novas representações não criam diferentes realidades? Como poderemos saber o que é realidade? Será que a teoria realmente é a origem da confiança que temos na forma como vemos as coisas? As palavras foram criadas para fins práticos? Como a racionalidade é definida? Não é a partir do que pensa a comunidade da época? Será que existe um corpo de conhecimento coerente o qual não pode ser reduzido à história e à psicologia das crenças subjetivas? Por que a astrologia oriental não pode ser chamada de ciência? Existe uma única caracterização correta para lidar com um determinado aspecto da natureza? Falar de pedaços espaçotemporais de lagartixidade é o mesmo que falar lagartixa? A teoria pode funcionar para nós e ainda assim ser falsa a respeito do Universo? Há um relato completo a respeito de uma pessoa? Como termos que denotam entidade teóricas adquirem seu significado? A ciência é um fenômeno histórico? Por que a ciência é um sucesso? O que queremos dizer quando afirmamos que encontramos a explicação de um evento? Que diabos significa dizer que “o colapso do pacote de ondas” que ocorre durante a medição microfísica se dá numa interação com a mente humana? Será que pode existir cargas elétricas mínimas ainda que os elétrons não existam? Quando eu encho o quadro de setas pra cá, setas pra lá, gráficos, desenhos de cargas positivas e negativas, e bababá bububú… não estou falando de fenômenos criados? Os fenômenos que são criados em laboratório são criações de Deus ou do homem?

Definitivamente, ainda que eu não saiba responder a quase nenhuma  dessas perguntas de forma clara – se é que elas tem respostas-, há muita arte na ciência. Ensinar física, biologia, química é expôr um lado bastante criativo do ser humano. Einstein, um grande cientista, tem uma frase muito conhecida que afirma “A imaginação é mais importante do que o conhecimento”. Vai muito ao encontro do que estou querendo dizer ou “desdizer” com todo esse devaneio. Mas é pouco.  Junto o físico com o poeta Mário Quintana e consigo passar o que sinto “A imaginação é a memória que enlouqueceu.”

Deveríamos receber a explicação científica de um fenômeno com a mesmo sentimento de quando entramos pela porteira aberta do Sítio do Pica Pau Amarelo…

2 Comentários

Arquivado em Ciência, Crônicas, reflexões, Yuki

2 Respostas para “A Arte e a Ciência (2)

  1. Mateus B. M.

    Fato!

    Curtir

  2. Marcos

    Viver a realidade sem contemplar a Ciência nos leva a uma cegueira em relação a nós mesmos. Antes pequenos diante do mundo do que gigantes vivendo em um mundo pequeno.

    Curtir

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s