Jardim

rosa

– Mãe, pra você. Disse ele, meu caçula de sete anos, com uma rosa murcha na mão presa por um talo pelado, sem folhas.

– Muito obrigada, Yuki, mas me permita uma observação: ela está murcha!

– Ah sim, eu sei, ele disse. Mas foi a maior que encontrei. As que estavam vivas eram bem menores e eu não arranquei para elas crescerem como essa. E perceba mais, mãe. Eu tirei todos os espinhos para você não se machucar, você viu?

Na verdade, eu havia reparado somente a ausência de folhas e o fato da rosa estar sem o viço de uma flor viva. Pensei até que ele estivesse brincando inicialmente, mas percebi que ele estava animado ao me dar o presente. Depois da explicação, de repente, passei a  ver um jardim nessa  flor desbotada e, desde então, a me sentir tal como uma rainha, mãe de um príncipe real.

Tapa na cara do preconceito. Ponto para a poesia.

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas, Yuki

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s