Relações Sociais nas Redes Sociais

ser_humano

O tema é polêmico. Se um psicanalista, por exemplo, não pode e nem deve ter intimidade com o paciente, como deve se comportar o professor? Ou ainda: é saudável para a relação professor-aluno que eles sejam amigos no feicebuque?

Os que dizem que ‘não’ a essa pergunta são aqueles que preferem manter a privacidade, ou melhor, não querem dividir a sua vida pessoal, suas opiniões, suas fotos de viagens com aqueles que vão aprender algo com eles. Entendem que a relação acaba e quiçá pode ser prejudicada com essa aproximação, diria até, com essa horizontalidade nessa paridade. Professor é professor e não amiguinho, já ouvi por aí. Aluno não precisa ser íntimo, aliás!, é bom que não seja.

Eu, como todos sabem, tenho muitos alunos como ‘amigos’ e a minha relação com eles se mudou foi para melhor. O respeito continuo tendo e, ao contrário do que muitos pensam, nunca alunos invadiram o espaço da rede social para falar sobre assuntos de escola. Quando o fizeram foi porque eu de antemão permiti em uma conversa. No momento que querem falar algo sério, sempre usam o e-mail. Eles já entenderam, sem sequer eu precisar explicar, como devem se comportar em ambientes diferentes e quando uma conversa deve ser oficializada. Os jovens não são tão irresponsáveis e imaturos como o senso-comum aponta.

Por outro lado, eu também passo a conhecê-los um pouco mais. Vejo o que compartilham, o que lhes agrada, o que lhes entristece… e isso tem facilitado muito o meu olhar para eles e nosso diálogo dentro de sala de aula. São todos muito diferentes como todos nós, adultos, também somos. E essa diferença, as vezes esquecida ao vê-los todos sentados de uniforme, fica mais clara e é lembrada por esse contato via rede social.

A única vez que tive dúvidas sobre essa relação foi nas vésperas das eleições. Sei que formo opiniões e que um professor pode cegar seus alunos com ideias. Questionei a mim mesma se seria ético mencionar e defender a minha posição política para eles. Decidi que poderia fazer isso de forma educativa, incentivando a leitura de livros, a buscar a veracidade das informações, a como expor um ponto de vista controverso, a fundamentar bem a escolha, a questionar, acima de tudo, as coisas que eu escrevia. Debates acalorados e muito respeitosos aconteceram publicamente. Inclusive com os pais que jamais, ainda que em posição política oposta, condenaram a minha atitude. Portanto, tendo todo o cuidado de não anuviar, tive a postura que todos os ‘meus amigos’ puderam testemunhar.

Quanto ao psicanalista e profissões afins, eu me pergunto se deve ser diferente o enfoque. Acho que estamos sendo todos forçados, via rede social, a ver aquele que nos serve de uma maneira ou de outra como um ser humano de carne e osso. Lembro-me, quando comecei a dar aula e nem sequer existia celular direito, que fui convidada para uma festa de 15 anos de uma aluna. Cheguei com meu marido no horário marcado – óóóóóóó a professora tem um namorado! – e dancei na pista como todos estavam fazendo. No meio do Abre as suas Asas e Solte suas Feras uma aluna apareceu com os olhos arregalados dizendo: professor dança? Pois muito bem, em tempos atuais, professor não só dança como vai à praia, usa roupa de banho, namora com quem ele quiser, pinta, borda, se fantasia no carnaval de borboleta e ainda escreve abobrinhas como eu. E médicos idem, psicólogos idem, dentistas idem, fisioterapeutas idem e engenheiros, bem, engenheiros são um caso à parte.

Cabe a nós, assim como esses alunos têm feito de maneira tão elegante e sábia,  entender que ninguém aqui é o monstro do Dr. Frankenstein. Não somos feitos de pedaços, somos uno. E o profissional que lida diretamente com pessoas pode continuar a ser um excelente profissional ainda depois de ser visto e considerado como um ser humano por seus alunos ou pacientes (que são, a meu ver, em essência, a mesma coisa: pessoas que precisam de uma transformação). Mas mais ainda, o aluno e o paciente podem também ser vistos em sua completude.

Há relações, ainda que profissionais, que perdem quando nos conhecemos melhor? Eu acho que não.

Deixe um comentário

Arquivado em Educação, Opinião

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s