Deus, Jesus e Duvivier

Querido povo terráqueo,

Aqui quem fala é Deus. Tenho acompanhado vocês faz um tempo e sei que dispenso explicações de minha, digamos, pessoa. Resolvi interferir diretamente e de forma clara desta vez porque parece que as coisas fugiram do controle a ponto de um tal de Duvivier escrever em nome de Jesus se dizendo de esquerda e que já voltou à Terra disfarçado de prostituta, escravo, transexual, cachorro de chinês e sei lá mais o quê. Até aí, vá lá, tudo bem. Mas ele errou feio, errou rude quando disse que a nossa biografia é a Bíblia. Lendo as Escrituras fica confuso concluir algo sobre meu filho e Eu.

Vejam os Dez Mandamentos, por exemplo. Respondam-me: vocês deveriam honrar a vontade de seus pais se eles me pedissem para quebrar algum dos outros mandamentos? Vocês podem roubar para prevenir um assassinato? É certo quebrar o sábado santo ou mentir para salvar a vida de alguém? Percebem como o bem e o mal são relativos? Não dá para tomar esse livro como verdade absoluta se cada um pode interpretar de um jeito e ainda assim todos estejam corretos.

Se existe o Bem e o Mal, como vocês afirmam, como podem dizer que Eu, representando o Bem, estou no comando dado o estado calamitoso em que vocês se encontram? Como vocês justificam o câncer, os micróbios, a difteria e milhares de outras doenças que atacam as crianças comigo no poder? Vocês acham realmente que se eu fosse O Bom, O Criador e acima de tudo O Protetor isso tudo seria possível? Já contou a quantidade de pedófilos nesse mundo? Acham que Eu, O Bondoso, os criei? Quantos inocentes morrem por causa dos ciclones, dos terremotos, da pestilência e da fome? Se Eu sou o Bom e O Criador como podendo criar um mundo sem dor criei deliberadamente o contrário? Pensem, meus filhos. Reflitam peloamordedeos.

Vocês criaram conceitos que, para mim, são extremamente confusos e que não consigo sequer pensar a respeito. Comecemos pelo Amor. Muitos dizem que ele não acaba, o que não me parece verdade. Outros dizem que é um sentimento que só faz o bem, mais um equívoco gigantesco dado o número de crimes e o estado em que muitos de vocês ficam. O amor que vocês criaram vem junto de outros sentimentos que não me parecem coisa boa como ciúmes, tormentos, medo, insegurança, saudades e coisas assim que tiram a paz de qualquer amado, amante e amador tomado aqui no sentido de quem ama.

Outro conceito extremamente confuso e ininteligível é o de liberdade. O que é ser livre para vocês afinal? Quanto custa a liberdade? Como ser livre com regras que limitam e explicam essa tal liberdade? O mundo é um obstáculo para a liberdade? Um escravo pode ser livre? Dentro de seja lá qualquer sistema econômico de vocês, faz sentido falar em liberdade? Vocês se acham mesmo livres para mudar? Não é possível entender esse mundo com as palavras e conceitos que vocês criaram…

Até com a morte eu fico confuso depois que vocês passaram a existir. O que é morte depois do ser humano ter existido? A morte mata exatamente o quê? A morte liberta? Como vocês podem sentir falta de algo que nunca tiveram? Para quem teve verdadeiramente um amigo, não será a sua ausência a mais forte das presenças? É preciso estar vivo para semear uma amizade? Só há um jeito de estarmos vivos? A morte é compatível com o sentido da vida que vocês acham que existe? A morte é ou não o fim? Existimos depois de morrer?

E acrescento mais: Os pensamentos são reais? Tudo o que existe é material? Podem os mortos terem acesso a vocês? Podem os mortos compreenderem mais do que os vivos? Podem os mortos lhes ajudar senão pelas obras de arte que criaram quando vivos? As palavras que vocês criaram apontam para alguma realidade? As palavras criam mundos? O tempo que vocês inventaram, mensurável pelos relógios, é real? Há tempo por extenso? Um incêndio pode ser belo? Por que é tão difícil a comunicação entre vocês? O que vos conduz à verdade? A Verdade pode ser um ponto de vista? Um daltônico sabe o que é vermelho? É legítimo mesmo sem provas crermos em algo? Vocês são mesmo racionais? Os instintos podem estar certos ou errados? Por que é que vocês se preocupam com o passado? Quem vocês são agora determina quem serão amanhã? Pode o sentido da vida de vocês parecer sem sentido? São os deuses astronautas? Vocês podem conhecer algo inconscientemente? Não provar a culpa de alguém prova a sua inocência? Onde é que as palavras criadas por vocês se encontram com as coisas que Eu criei? Vocês conhecem melhor o mundo através dos sentidos ou através das ideias? Vocês escolhem mesmo o futuro?

Enfim, queria mostrar que as palavras são controversas e que a despeito do texto do Duvivier ter sido muito bom, ele, digamos, pecou quando mencionou que Eu e meu filho temos uma biografia pois é impossível nos descrever e falar sobre nós pelas palavras.

Em relação ao Malafaia não posso dizer nada porque não o conheço muito bem. Perguntem pro Capeta.

Fiquem em paz e bebam menos refrigerante.

Beijos divinos

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas, Opinião, reflexões

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s