Suponhamos que…

coragem1

Suponhamos que eu seja uma pessoa calma, o que não é verdade. Suponhamos que eu durma bem, o que não é verdade. Suponhamos que eu tenha certeza que fiz a coisa certa, o que não é verdade. Suponhamos que eu tenha poucos defeitos, o que não é verdade. Suponhamos que eu fale de mim com facilidade, o que não é verdade. Suponhamos que eu conte tudo, o que não é verdade. Suponhamos que basta uma conversa com um mendigo para eu ficar feliz, o que não é verdade. Suponhamos que eu seja uma boa mãe, o que não é verdade. Suponhamos que eu faça sempre o meu melhor, o que não é verdade. Suponhamos que eu goste de correr, o que não é verdade. Suponhamos que lide com alegria e leveza com meus problemas, o que não é verdade. Suponhamos que eu escreva sem dificuldades, o que não é verdade. Suponhamos que eu me baste, o que não é verdade. Suponhamos que eu esteja satisfeita, o que não é verdade. Suponhamos que eu não me arrepende de nada, o que não é verdade.

Quem me dera ser a metade do que supõem de mim…

Agora… suponhamos que eu seja uma pessoa impulsiva, o que é verdade. Suponhamos que eu não reflita muito sobre meus sentimentos, o que é verdade. Suponhamos que ajo sob uma intuição dessas que não falham, o que é verdade. Suponhamos que eu me estabaque muito, o que é verdade. Suponhamos que é porque não se trata de intuição e sim extrema infantilidade, o que é verdade. Suponhamos que o resultado tem sido meio a meio, o que é verdade. Suponhamos que vivo num impasse, o que é verdade. Suponhamos que eu queira melhorar mas não sei, o que é verdade. Suponhamos que ser impulsiva me machuca muito, o que é verdade. Suponhamos que nem sempre os meus impulsos tenham uma boa origem, o que é verdade. Suponhamos que tenho medo de me tornar adulta demais, o que é verdade. Suponhamos que eu seja uma pessoa muito ocupada, o que é verdade. Suponhamos que a minha ocupação seja tomar conta do mundo, o que é verdade. Suponhamos que sofro muito por conta de tanto amor, o que é verdade. Suponhamos que sofra muito mais por tanto desamor, o que é verdade. Suponhamos que eu não me importe que me julguem, o que é verdade. Suponhamos que eu não queira enumerar quantas vidas vivo, o que é verdade.

Suponhamos que eu tome conta há anos de uma fileira de formigas e que não encontrei ainda a quem prestar contas…

Suponhamos que eu esteja falando de algo tão delicado como a própria vida.

E teremos uma ideia de que são feitos e de que altura são os muros do meu castelo. Suponhamos que eu more em um…

1 comentário

Arquivado em Crônicas

Uma resposta para “Suponhamos que…

  1. Maria Luiza de Monteiro Marinho

    Sua cabeça tem ssas.
    Como sua imaginação voa, sobrevoa. Da razantes na realidade e sobe novamente para as nuvens de um universo só seu.
    Você deveria morar com Alice no País da Maravilha.

    Curtir

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s