Lugar de Fala. Lugar de Silêncio.

voz2

Não faz muito sentido essa história de que só mulher pode falar sobre o machismo (depende do momento, vale observar), só LGBTs podem falar de LGBTfobia, só negros sobre racismo e por aí vai. Como já observado, precisamos trabalhar na coletividade para poder discutir também, numa outra perspectiva, sobre assuntos que tocam a todos como reforma política, cortes de gastos na Educação e Saúde e reforma da previdência, por exemplo.

Se começo o meu discurso falando sobre a necessidade de ser empático com os negros, mulheres, LGBTTs, deficientes físicos, pobres… devo dar o exemplo e compreender a revolta de pagar pelos pecados de outros e do homem branco em querer falar e ser impedido de se manifestar.

De fato, ninguém pode ser culpado pelo que os tataravós fizeram. Mas somos todos responsáveis pelos demais. Então, se alguém não se posiciona frente a uma atitude opressora e preconceituosa – seja ela de qual espécie for – ou silencia a voz do oprimido na sua vez de falar, esse alguém está corroborando para que a hierarquia permaneça entre nós.

O fato de alguém ser “macho” e tudo o mais que lhe enche de privilégios não pode ser sinônimo de “inimigo”. Ao fim e ao cabo, percebo  que “machos  bonzinhos” e “fêmeas revoltosas” falam da mesma coisa, querendo o mesmo mundo melhor, possuem um consenso na pauta mas, por estarmos em “lugares” diferentes, há momentos em que eu vejo, claramente, que é muito melhor um homem ouvir do que falar sobre feminismo, por exemplo. É extremamente difícil fazer com que muitos  entendam isso. No entanto, se pensarmos com calma, não é tão complicado entender o porquê eles não entendem. Basta mudar um pouco o ângulo de ver a coisa.

Explico-me a seguir.

Há vários tipos de conhecimento. Por exemplo, é possível que, em certo sentido, eu conheça muito mais a Itália – sem nunca ter pisado na Europa – do que alguém que tenha feito turismo por lá. Posso afirmar várias coisas sobre a terra de Galileu que não são do conhecimento dos próprios italianos. Quero dizer com isso que o acesso a um assunto (tema, conhecimento, informação…) é livre e qualquer um – independente de gênero, religião, cor da pele, preferência  sexual – pode conseguir.

Porém, quando falamos de dor e, se quisermos entendê-la, para ajudar a curar é bom que se ouça os feridos. Posso falar muito sobre a Itália, mas jamais proferir com propriedade sobre o que sentem os que lá nasceram.  Indo direto ao nosso assunto e deixando de lado os paralelos e as analogias, em determinadas situações, a problematização trazida pela reivindicação do “lugar de fala” faz todo sentido. Se quero conquistar a minha emancipação e mostrar que tenho (o mesmo) valor independente da autorização e da aprovação de um ser considerado socialmente superior (homem branco, heterossexual, cis e rico), ninguém melhor do que eu, portadora da experiência da opressão e do preconceito, para fazer isso. É preciso descentralizar o fazer pensar. Mas, mais do que isso, é preciso, em muitos contextos, que a fala seja em primeira pessoa e não em terceira. Isso tem muito significado para quem (dependendo de quem) ouve.

No caso dos movimentos feministas, por exemplo, estar entre mulheres e ouvir somente vozes femininas nesses debates nos ajudam a proferir palavras sem medo e criar mais segurança. É o famoso e necessário empoderamento. Precisamos nos sentir confiantes e aprender que podemos nos expressar. Isso ainda é muito difícil para muitas de nós que tivemos uma educação castradora e vivemos em uma sociedade machista. Então, quando uma de nós mais segura fala, outras começam a se inspirar. Se um homem nos tira esses importantíssimos minutos que sejam, pode resultar, naquele ambiente, em menos mulheres fortalecidas. O que seria um desserviço e não uma ajuda à causa por mais interessante que seja a sua fala.

Voltando ao paralelo com o saber de um italiano e o de quem pesquisou muito sobre a cultura da terra de Caravaggio, ainda que o estudioso queira falar sobre tudo o que leu e sua vivência intelectual (que não deixa de ser também um conhecimento verdadeiro), há momentos, se quisermos entender sobre sentimentos genuínos de quem vivenciou uma opressão, que a sabedoria do pesquisador pode ser prejudicial se significar o silêncio de quem precisa gritar.

Ainda não entendeu? Tentemos mais um pouco: se um homem branco endinheirado resolve falar sobre a condição subalterna da mulher para várias mulheres negras, por exemplo, ele reforça a hierarquia e anula, na prática, o conteúdo do seu discurso, dependendo do local e do momento em que isso seja realizado. Dito de outro modo, o lugar de fala pode auxiliar pessoas a compreenderem como o que proferimos e como o fazemos reforça as relações de poder e reproduz, ainda que sem querer, os preconceitos de classe, de gênero e  religiosos.

Se o discurso e o movimento são emancipatórios eles devem ser proferidos pelos oprimidos para lhes dar legitimidade. É necessário dar espaço para as pessoas contarem como é a vida delas a partir das suas experiência. Caso as silenciemos, a “experiência” contada e a visão proferida será sempre a do homem branco, que é o privilegiado da sociedade.

No entanto, vale observar, em outros contextos, é necessário que haja o diálogo entre os dois extremos (homem, branco, hetero, classe média/alta, sem deficiências versus mulher, negra, transexual, classe baixa, com deficiência, por exemplo) porque o aspecto relacional é importantíssimo na desconstrução social das diferenças.  As experiências individuais são muito importantes e bem vindas para uma reflexão sobre como construir um denominador comum para a coletividade.

A agressividade que emerge nos movimentos gritando um “cala boca, macho branco” quando o ideal seria “dá licença, deixa eu falar pelamordedeos” é compreensível porque todos estamos muito cansados e somos muito emotivos nessas horas. Não aguentamos mais ouvir que a nossa dor é mimimi, que estamos problematizando tudo, que tudo está muito exagerado sendo que mal começamos.  É muita opressão em cima de um tiquinho de luta. Entenda que não é pessoal, tente reconhecer seu lugar de fala e seus privilégios. Procure enxergar que, dependendo do local, o seu silêncio contribuirá de forma muito mais eficiente para o empoderamento dos oprimidos. É necessário romper com os regimes de invisibilidade impostos sobre esses segmentos fragilizados.

Mas, em se tratando de ser humano, nada é tão simples. Podemos ter casos como Fernando Holliday, um jovem político liberal, negro, gay e periférico, que tem utilizado o seu lugar social para defender pautas contrárias dos movimentos liderados pode negros, gays e periféricos. De onde concluímos que a voz do oprimido não é sinônimo de verdade objetiva (ela existe?). Sabemos que há mulheres que falam mal do feminismo mesmo sofrendo com o machismo diariamente.

Para conhecer não é suficiente viver (ainda que seja necessário dependendo da pauta). O conhecimento se dá através de outros meios e não há fórmulas certas para que isso ocorra. Pode vir no trabalho, na conversa com um desconhecido, na leitura de um livro, ao ver uma maçã cair… Sei que a cultura nos cega por demais e a nossa é estruturada em uma sociedade, por essência, excludente. Não é nada fácil sermos empáticos dependendo da miopia causada pela nossa educação.

O caso de mulheres que repudiam o feminismo e dos Fernandos Hollidays na vida mostra que o protagonismo deve ser dado ao oprimido, mas isso não pode significar um privilégio epistêmico, ou seja, que determinado tipo de pessoa teria acesso privilegiado de uma verdade universal (se é que ela existe…). O conhecimento advindo pela vivência deve ser sempre considerado, mas está longe de ser suficiente para melhorar o coletivo. É necessário o diálogo e o respeito entre todos os envolvidos.

Se quisermos avançar, penso eu, devemos ser se não empáticos (o que é  muito difícil), ao menos, mais esforçados em entender. Entrar em um debate procurando algo para atacar, rebater ou simplesmente sair se defendendo e falar e não para ouvir e, depois, debater e aprofundar só contribui para aumentar nossas diferenças e enfraquecer a luta dos oprimidos.

1 comentário

Arquivado em Crônicas

Uma resposta para “Lugar de Fala. Lugar de Silêncio.

  1. Cristina

    Maravilhoso texto!

    Curtir

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s