Mãe, aconteceu uma coisa aqui…

Minha mãe estava andando na rua, tropeçou, caiu, teve que operar o pulso e está engessada. Ela passa bem. Exatamente agora acabou de dar umas boas gargalhadas com a Narinha.

O texto não é sobre a lesão dela e sim sobre por que mamãe riu tanto hoje. Precisei fazer essa introdução sobre o acidente para vocês entenderem o contexto.

Nara, minha querida filha super estudiosa que canta lindamente, que está fazendo duas faculdades, que está super isolada nesta pandemia e que adora ler, enfim, Nara, a fofa, foi dar uma força para os avós. Ela deve ficar lá até minha mãe tirar o gesso.

Fofa fofa fofa.

Hoje Nara me ligou da sala onde todos estavam assistindo Olimpíadas para me contar algo.

– Mãe, você lembra que eu fui monitora na época que estudava no Cefet e recebia um salário por isso?

– Lembro sim, minha filha querida cuti cuti da mamãe.

Eu sempre morri de orgulho dela ter sido monitora de filosofia, gente.

– Sabe o que eu fiz com meu primeiro salário?

– Não, filha linda.

Nesse momento, na nossa videochamada, fiz cara de fofa. Confiando na educação que dei a ela, esperava ouvir que ela doou, investiu, comprou livros… algo nessa linha.

– Então, eu comprei meu primeiro vibrador.

Ela disse PRIMEIRO, Brasil. E isso era 10 da manhã de hoje!

Que orgulho, meu povo.

Tive que explicar calmamente, no entanto, que nem tudo ela precisa falar comigo.

Contei a ela que, com o meu primeiro salário, comprei um anelzinho de ouro que hoje não cabe mais no meu dedo. Falei isso para mudar um pouco de assunto.

– Investiu errado, mãe. – Interrompeu Nara.- Precisa aprender comigo. Quando teve o SexFair no Rio Centro, Hideo levou a gente lá e compramos um monte de coisas legais.

– “A gente”? Hideo?

– Eu e Daniel, mãe. Na época, eu estava com ele. E Hideo que sabia dirigir.

Reforcei que ela não precisava me contar tudo o que fez nessa vida loka.

– Mas é que aconteceu uma coisa aqui hoje e queria te contar.

Ela falava assustada enquanto segurava um pescoço amarelo de uma galinha de plástico que achei que fosse o que ela queria me mostrar e o motivo da ligação.

Eu seguia atenta, mas ligeiramente tensa.

Eu desconhecia aquele com formato de cabeça de galinha. Queria olhar para a Nara, mas minha curiosidade científica estava me desconcentrando.

– Mãe, a Maru…

(Maru é a doguinha da mamãe e do papai, então, tecnicamente, Maru é minha irmã.)

– A Maru, mãe, sem eu ver, – continuou Nara – começou a fuçar minha bolsa, pegou meu vibrador e começou a correr pela casa feliz da vida com ele.

E eu olhando a galinha boquiaberta de plástico imaginando como interagir com aquilo e querendo fazer algumas perguntas técnicas para avaliar o investimento.

Nara seguia narrando o incidente canino-antierótico.

– Eu estava tomando café com meu avô. Daí, minha avó apareceu com meu vibrador na mão perguntando quem tinha comprado brinquedo novo para a Maru.

– Sua avó apareceu com essa cabeça de galinha amarela em riste?

– Não, mãe. Esse é o brinquedo velho da Maru. O meu vibrador é pequenininho e lilás.

Essa informação fez com que eu me concentrasse melhor na situação.

– E o que você disse para a sua vovó, filhota querida?

– Eu expliquei para… Mãe!  A Rebeca vai competir agora! – disse Nara super empolgada.

Desligamos rápido porque não é todo dia que vemos Rebeca Andrade divando nas Olimpíadas. Era a chance de vermos a primeira brasileira medalhista Olímpica na ginástica artística.

Enfim, como disse no início, mamãe está bem e, hoje, já riu um bocado com sua netinha linda.

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s