Jogo do Bicho

Lk e Yuki

Acabei de ler para o Yuki Fábulas de Monteiro Lobato. Meu caçula de nove anos ficou triste como ficamos ao terminar uma deliciosa viagem. Na tentativa de resgatar o humor dele, propus um jogo que chamei de Jogo do Bicho.

– Seguinte, meu filho, eu falo um bicho e você o descreve para mim e vice versa, valeu? Três, dois, um… avestruz!

– É o bicho que come de tudo. Igual a você. Agora eu:Borboleta!

– Pisca com as asas como as pálpebras quando estamos apaixonados. Algumas moças se comparam a elas. Grande injustiça com as borboletas. Cigarra!

– São artistas. Tudo gente boa. Mas quem escreveu as fábulas não curte muito o estilo musical delas. Cegonha!

– Cegonha…ih coitada. Pagam pelo crime que não cometeram. Muita gente põe culpa na Cegonha… Touro!

– É um boi com um quê a mais. Tipo mais feliz ou mais completo. Sei lá. Parece mais macho mas também tem mais chifre…

– Faz sentido, meu filho… jacaré!

– Sorriem como sorriem os ladrões. Dragão!

– Dragão não é bicho, Yuki. Nem tem nas fábulas. Mas vamos lá. É um bicho inventado e completamente desmoralizado por São Jorge. Girafa!

– Não existe.

– Como não, Yuki? Você já viu no zoológico até!

– Não acreditei que fosse real. Não existe. Peru!

– Primo pobre do pavão. Essa foi mole.Elefante!

– Gigante. Como você, mãe.

A brincadeira acabou porque não dá para falar e beijar ao mesmo tempo.

Yukiblog

Arrumando a casa

Tudo em seu Devido Lugar

Hoje resolvi arrumar a casa. Coisa que nunca faço porque sempre tem algo melhor a se fazer, tipo dessarrumá-la mais ainda. Comecei pelo quarto dos meninos.  Aqui em casa, Yuki de 9 anos divide o quarto com Hideo de 22.  As baquetas de bateria do Yuki estavam em cima da guitarra do Hideo que estava na cama do Yuki repletas também de gibi da Mônica, livros do Ziraldo e CDs de bandas de rock que não consigo guardar o nome. Não sei de quem é o quê. Como dormiram hoje com tanta coisa em cima da cama? Ou depois que acordaram jogaram tudo em cima dela? Não entendo. Pela mesa, a dúvida persiste. Encontro partituras e desenhos feitos à mão do Angry Birds que não consigo identificar qual dos dois os fez. Os chinelos tanto do Super Homem quanto do Incrível Hulk virados de cabeça para baixo. Esses garotos querem me matar, pensei.

Desisto.

Vou para o quarto da Nara, minha filha linda que adolesce. Flores murchas em garrafinhas de água vazias nas janelas. Sei que não posso mexer. Ela gosta dessas coisas que mesmo depois de mortas têm uma forma própria e carregam história. Esmaltes em cima das letras de música do CD de Elis. Não entendo como ela lia enquanto mudava a cor de suas unhas. Rabiscos de química misturados com croqui de alguma coisa podendo ser qualquer coisa. Há vários gibis da Turma da Mônica Jovem na estante do quarto dela misturados aos livros lidos como os de Mishima e Rubem Fonseca. Não sei se estão em ordem cronológica de leitura. Maquiagem no meio das teclas do piano. Estaria ela solfejando um batom? Ou queria ela achar o tom das sombras?

Desisto.

Vou para meu escritório. É tempo de colocar ordem nessa budega. O livro de física segue mantido aberto por um menorzinho há meses: o Livro das Perguntas de Pablo Neruda. Poética a imagem. Ao invés de separá-los, peguei a máquina (Cadê ela? Ah ali!  Ao lado das folhas de papel ofício) e fotografei. Onde estava com a cabeça em deixar na mesma mesa Em busca do Tempo Perdido de Marcel Proust, 1984 de George Orwell e Vozes Anoitecidas de Mia Couto? O que Ítalo Calvino faz embaixo dos rascunhos? Caramba… que livro lindo esse do Calvino. Dei uma folheada e li quase metade dele. Fechei, levantei as folhas de rascunho (onde tenho algumas ideias anotadas de futuras crônicas) e coloquei Calvino na mesa. Cobri-o com meus repentes de novo. O bom de se esquecer das coisas é que posso fazer surpresas para mim no futuro. Não vejo a hora de encontrar Calvino de novo no susto. Por que Esconderijos do Tempo de Mário Quintana está junto de meus diários de classe? Que livro é esse dele que não me lembro? Nossa. Que lindo… li todo de novo. Levantei Felicidade Clandestina de Clarice Lispector na quina da mesa e vi três multas. Coloquei Lispector rápido de novo onde estava para acabar com aquela visão do inferno que me deu até taquicardia. Cartão de crédito bloqueado para desbloquear, caixa de chocolate em forma de livro que ganhei da Alice e dentro dela… nada. Comi tudo. Coloquei o cartão bloqueado dentro de onde estavam deliciosos bombons e deixei tudo como estava. Gosto de lembrar da Alice.

Desisto.

Fui para meu quarto. Lá, na minha cama, nos reunimos todos para conversar. Livro de fábulas, blusa usada com cecê  da Nara que chega se despindo e deitando ao meu lado, meia chulezenta do Hideo embaixo do meu lençol, pijaminha de hot whels do Yuki e minha camisolinha da Pepa foram todos para seu destino certo: espremidos ali no canto pórque daqui a pouco vamos usar de novo. As roupas sujas foram para o cesto onde encontrei um cinto que Hideo há tempos procurava. No banheiro, na pia, vejo meu caderno de anotações. Não entendo como foi parar ali, mas abro para conferir. Notas de reuniões do grupo de pesquisa em Filosofia com aulas de Física Quântica. No cantinho está escrito: paixão melhor nutella, se não nutella como sabella?

Desisto.

Parei de arrumar a casa e vim aqui escrever essa crônica.

Amor em 5D

Yukiblog

– Mãe, o que é 3D? – perguntou Yuki, meu caçula de nove anos.

– São dimensões. Veja bem: uma dimensão = 1D = uma reta. Duas dimensões = 2D = um plano. Três dimensões = 3D = o espaço tal como o conhecemos. – respondi.

– Entendi. E quatro?
– Pode ser o tempo.
– E a quinta dimensão?
– Não sei. Não temos como imaginar. É algo que se existir não temos como descrever.
– Entendi.

Quando Yuki estava deitadinho, quase dormindo, enchi, como faço toda noite, a bochecha dele de beijinhos.

– Banoite banoite banoite teamo teamo teamo.
– Mãe. – disse ele de olhos fechados.
– Oi, Kinho.
– A quinta dimensão é você me dando beijo antes d´eu dormir.

*-*

Agora estou aqui. Transbordando de amor no tempo. No espaço. E muito além dele.

Filhos que não me obedecem: uma dádiva por mim conquistada.

ynh

A imagem do filho obedecendo os pais sempre foi, para mim, um exemplo a não ser seguido. Não sei se faço certo ou errado, mas muitas pessoas têm me perguntado como consegui essa relação de cumplicidade e amizade com meus três filhos que têm idades completamente diferente (hoje, Yuki está com 9 anos, Nara com 17 e Hideo com 22). Pelo fato da pergunta estar se repetindo, resolvi pensar na educação que dei a eles e concluí que eu jamais me importei ou precisei exigir que eles me respeitassem ou obedecessem.

O verbo obedecer significa “ato pelo qual alguém se conforma com ordens recebidas. Autoridade, mando, domínio. Sinônimo de submissão.” Deus me livre… Se o que se busca é respeito, penso eu que isso só é conseguido se o outro lado for respeitado também. Assim como faço com qualquer pessoa, respeito meus filhos e as opiniões deles em tudo. Como mãe, fico atenta às habilidades a serem exploradas, às vontades a serem aprofundadas, ao talento – seja lá para o que for – que pode aparecer a qualquer momento e precisar de um empurrãozinho para emergir.

Não quero que filho nenhum me obedeça. Não me sinto apta a comandar a minha vida quanto mais a dos meus filhos. Se eles tiverem que me obedecer é porque, de alguma forma, assim penso, eles foram podados ou castrados por mim e devem agir de acordo com os meus interesses. Eu passo ser autoridade se tiver que impor a minha vontade e fujo disso já que abomino qualquer tipo de autoritarismo. Filho meu não “tem que” me respeitar e muito menos me obedecer.

Quero que meus filhos tenham luz própria e não sejam sombras de outras pessoas muito menos de mim. Quero que eles sejam eles mesmos, reconheçam as suas vontades e tenham em mim um apoio para conseguir segui-las. As decisões são deles. “Mãe, posso…?” sempre busquei trocar por “Mãe, quero…”. Eu apenas pondero alguma coisa que acho relevante observar, mas as rédeas estão com eles. Quer matar aula, mata. Quer fumar, fuma. Quer fazer teatro, faça. Quer vender arte na praia, venda.

Como disse, não sei se faço certo ou errado, eu simplesmente não consigo agir diferente por aqui. Sei que operando assim tenho, de fato, construído uma relação que muitos têm elogiado. Vale observar que aqui vira e mexe a casa cai. Discussões homéricas são comuns nesse teto, mas nada que em algumas horas tudo volte ao normal. Não é novidade que existe uma quantidade exorbitante de jovens que se drogam. Pelo que afirmam os especialistas da área, muitos desses têm algum problema de relacionamento com os pais que exigem, de uma forma ou outra, obediência. Daí que esses meninos são praticamente forçados a seguir uma determinada profissão certamente pela questão financeira, proibidos de atender aos seus instintos e compelidos a adiar seus sonhos. Seus planos vão ficar a espera de um momento ideal para colocá-los em prática quando saírem da casa dos pais. A solução para esse inferno: as drogas. Isso posto e observado, penso que mesmo que transformemos nossa casa em um ringue de luta quando brigamos – coloquemos assim –  de igual para igual,  filho meu se um dia se drogar não vai ser por minha causa. Disso eu tenho total certeza. Não estou podando a asa de ninguém, pelo contrário, aqui eu só encorajo o voo. Não quero que eles andem no trilho, quero que eles percebam sempre que podem ir para qualquer lugar – como um trem descarrilado –  com o meu apoio.

Então, eu acho que pelo fato de permitir que eles sigam as suas próprias vontades e de criar um ambiente de condições favoráveis e saudáveis para que isso ocorra, acabo conquistando o tal do respeito sem, contudo, ser autoritária e, muito menos, fazer deles seres obedientes. Penso que o dia que  meus filhos se comportarem bem por medo e não por vontade própria eu terei falhado como mãe.

Pela última vez, não sei se estou certa ou errada. Mas uma coisa é fato: não há parque de diversão que se equipare com o que construí com Yuki, Nara e Hideo.

SONY DSC

Ver e Olhar. A diferença.

ver2

– Mãe, qual a diferença entre ‘ver’ e ‘olhar’? – perguntou-me Yuki, meu caçula de nove anos.
– Bem, well, a diferença? – E lá vamos nós… – Olhar é algo que precisa de olho, como a própria palavra indica.
– Ué. E ‘ver’ não? – assustou-se Yuki.
– Não. Podemos ver muita coisa de olhos fechados.
– Acho que não estou entendendo…
– Olhar algo pressupõe apenas que exista um objeto e um instrumento que capte a imagem desse objeto, por exemplo, um olho. ‘Ver’ pressupõe que por detrás desse instrumento exista um ser humano. E os seres humanos, bem sabemos, são únicos e extremamente complexos. ‘Ver’ é quase sinônimo de perceber. Cada um percebe, sente ou vê de acordo com a sua história, os seus defeitos e suas virtudes, consegue me entender?
– Tipo posso dizer que se olha com os olhos e se vê com o corpo? Com o coração? – questionava ele já de posse da compreensão.
– Ou com a falta dele. – E lá vou eu. – Por exemplo, quando um menino negro sem camisa e de sua idade aparece na sua frente, o que você vê?
– Uma criança oras.
– E vários desses juntos?
– Várias crianças oras!
– Pois então, muitos adultos vêem de uma forma bem diferente. Por vezes, e eles têm lá suas razões, ficam até com medo.
– É porque essas crianças também podem ver tudo diferente de mim, né, mãe?
– Justamente, meu filho. Se recebemos muito amor, a tendência é achá-lo, percebê-lo, vê-lo até no meio de um lixão. Se somos criados sem ele, é fácil perceber o mundo um lugar inóspito de convivência.
– O que é um “lugar inóspito”?
– Um lugar onde as pessoas não se abraçam, tipo isso.
– Ok. Entendi. Mas uma bola é uma bola para todos, né? – cutucou-me Yuki.
– Quando você olha para uma bola o que você vê?
– Um brinquedo. – respondeu-me prontamente.
– Eu vejo um objeto que mancha paredes e derruba meus porta-retratos na sala.

Yuki gargalhou e devolveu:

– E quando você olha uma beterraba, mãe?
– Vejo fonte de vitamina.
– Eu vejo um monstro vermelho. – disse ele com um sorriso gaiato.

E quando? E quando? E quando?… Continuamos nessa brincadeira por horas. Delícia de conversa viu.

Quando Yuki me pergunta algo, eu sempre vejo uma crônica.

Direita e Esquerda. Ensino Fundamental.

manifestação-das-crianças-Marcello-Casal-Jr-ABr

Yuki, meu caçula de oito anos, perguntou-me o que estava acontecendo no Brasil quando viu pela televisão imagens da manifestação de ontem, 16 de Agosto de 2015. Ao ver crianças dando entrevistas, ele se interessou. Criança pode ir à manifestação, mãe? Pronto, lá estava eu numa saia justa. Sou contra a doutrinação de crianças. Acho que cabe a mim como mãe ensinar meus filhos, sobretudo, a pensar. Todos, porém, que me acompanham sabem que tenho a minha posição política muito bem definida, o que, ao meu ver, não me dá o direito de decidir qual será o lado que meu filho jogará dentro da política: esquerda ou direita. O próprio Yuki percebendo a minha hesitação ajudou-me ao perguntar justamente a diferença entre esquerda e direita, já que os próprios jornalistas toda hora mencionavam essas palavras.

– Por que não positivo ou negativo, mãe? Ou branco e preto, por exemplo?

– Bom, essa é uma boa forma de começarmos. Isso tudo começou lá na França, há pouco mais de duzentos anos. O sistema político dos franceses nessa época era composto por grupos bem definidos, sendo que um deles formado por comerciantes e artesãos, por exemplo, era o único que tinha a obrigação de pagar os impostos, além de terem inúmeras limitações, como o fato de não poderem ocupar cargos públicos, por exemplo.

– Mas pode isso?

– Pois então. Parece meio injusto, não? Por isso talvez, pelo fato dos privilégios serem dados somente a uma pequena parte da população, que se iniciou a famosa Revolução Francesa. Nessa época, a burguesia procurava, com o apoio da população mais pobre, diminuir os poderes da nobreza e do clero. Daí então, para se criar uma nova Constituição, montaram uma Assembleia Nacional Constituinte. Acho que as camadas mais ricas não gostaram da participação das mais pobres, e preferiram não se misturar, sentando separadas, do lado direito. Não sei ao certo se foi isso, mas sei que a galera que representava o povão menos favorecido ficou posicionada à esquerda. Por isso, até hoje, o lado esquerdo foi associado à luta pelos direitos dos trabalhadores, e o direito ao conservadorismo e à elite.

Dentro dessa visão, ser de esquerda presumiria lutar pelos direitos dos trabalhadores e da população mais pobre, a promoção do bem estar coletivo e da participação popular dos movimentos sociais e minorias. Já a direita representaria uma visão mais conservadora, ligada a um comportamento tradicional, que busca manter o poder da elite e promover o bem estar individual.

Mas o mundo, meu filho, é muito mais complexo do que isso. Com o tempo, as duas expressões passaram a ser usadas em outros contextos. Hoje, as palavras ‘esquerda’ e ‘direita’ parecem não dar conta da diversidade política do século 21. Os contrastes até hoje como você pode ver existem, porém, não são mais do tempo em que nasceu a distinção. De uma forma geral, uma diferença crucial seria que a esquerda busca promover a justiça social enquanto a direita trabalha pela liberdade individual. Tivemos uma época no Brasil, por exemplo, da Ditadura Militar…

– O que é Ditadura Militar, mãe?

– Bem, podemos dizer que foi um período da política brasileira em que os militares governaram o Brasil. Esta época vai de 1964 a 1985. Caracterizou-se pela supressão de direitos constitucionais, censura, perseguição política e repressão aos que eram contra o regime militar, ou seja, pela falta de democracia.

– O que é democracia?

– A palavra democracia tem sua origem na Grécia Antiga. Demo quer dizer povo, kracia, governo. Dessa forma, a democracia pode ser entendida como um regime de governo onde o povo (cidadão) é quem deve tomar as decisões políticas e de poder.

Então, meu filho, continuando: essa divisão de direita e esquerda se fortaleceu muito no período da Ditadura Militar, onde quem apoiou o golpe dos militares era considerado da direita, e quem defendia o regime socialista, de esquerda.

– O que é socialista?

– Bom, o Socialismo é um sistema político-econômico ou uma linha de pensamento criado no século 19 para confrontar o liberalismo e o capitalismo. A idéia foi desenvolvida a partir da realidade na qual o trabalhador era subordinado naquele momento, como baixos salários, enorme jornada de trabalho entre outras.

Nesse sentido, o socialismo propõe a extinção da propriedade privada dos meios de produção e a tomada do poder por parte do proletariado e controle do Estado e divisão igualitária da renda. Todos ganham o mesmo. Não há como dentro do socialismo um ter carro zero enquanto o outro não tem o que comer. Isso, porém, é um sonho. Diria que é praticamente impossível pensar nesse regime.

Mas hoje, muitas outras divisões apareceram dentro de cada uma dessas ideologias de esquerda e de direita. Atualmente, os partidos de direita abrangem conservadores, democratas-cristãos, liberais e nacionalistas, e ainda o nazismo e fascismo na chamada extrema direita. Na esquerda, temos os social-democratas, progressistas, socialistas democráticos e ambientalistas. Na extrema-esquerda temos movimentos simultaneamente igualitários e autoritários. Cada qual dos lados, em diversos momentos da história (sobretudo no século 20), empenhou-se até a barbárie para fazer valer sua visão ideológica de mundo.

– Não tem meio termo? Eu tenho que escolher em que lado quero ficar?

– Não precisa. Há a posição de “centro”, por exemplo. Esse pensamento consegue defender o capitalismo sem deixar de se preocupar com o lado social. Em teoria, a política de centro prega mais tolerância e equilíbrio na sociedade. No entanto, ela pode estar mais alinhada com a política de esquerda ou de direita dependendo de sua visão sobre a economia. Por exemplo, os de esquerda pregam uma economia mais solidária, com maior distribuição de renda. Os de direita seriam associados ao liberalismo, doutrina que na economia pode indicar os que procuram manter a livre iniciativa de mercado e os direitos à propriedade particular. Algumas interpretações defendem a total não intervenção do governo na economia, a redução de impostos sobre empresas, a extinção da regulamentação governamental, entre outros. Mas veja que confuso e difícil, isso não significa que um governo de direita não possa ter uma influência forte no Estado, como aconteceu na Ditadura.

– Liberalismo me parece um nome bonito…

– E é. Na raiz, o adjetivo liberal é associado à pessoa que tem ideias e uma atitude aberta ou tolerante, que pode incluir a defesa de liberdades civis e direitos humanos. Mas não podemos esquecer que essa “liberdade” pode ter como consequência a privatização de bens comuns e espaços públicos o que poderia gerar mais desigualdades sociais.

A coisa, no entanto, é muito complexa. Por exemplo, o pensamento conservador geralmente é associado à direita. Propostas progressistas, à esquerda. No entanto, ambos, conservadores e progressistas, não raro, associam-se com liberais. É o caso, por exemplo, de quem defende ideias progressistas, como o aborto, políticas de cotas etc., mas defende a liberdade econômica, isto é, livre mercado, livre concorrência etc.; ou, ao contrário, quem defende política antiaborto, política contra as cotas e contra programas sociais fomentados pelo Estado, mas também se ajusta, igualmente, à prática do liberalismo econômico. Do ponto de vista político e ideológico, progressistas e conservadores divergem, mas concordam, por vezes, quanto à economia. Vê-se, então, que o problema é mais complexo do que se imagina.

– Não sei se estou te entendendo…

– Se você está confuso é sinal de que está bem informado e que agi honestamente. Quando, meu filho, neste mundo você vir uma pessoa com ideias muito claras sobre política, saúde, economia, progresso… pode ter certeza de que essa pessoa está mal informada. Fiquemos por aqui e aguardemos as próximas imagens e notícias para voltarmos a discutir.

– Quando você for à manifestação eu posso ir com você como essas crianças estão indo hoje?

– Não, meu filho. Quando participo de uma manifestação pode ter certeza que ninguém vai confundir a minha luta com piquenique.

Perdão, senhor, não sou de ferro. Fiz o melhor que consegui.

manfestaõ

Chapeuzinho Vermelho

chapeu1

– Mãe, me conta uma história? – pediu-me Yuki, meu caçula de oito anos, ontem antes de dormir já que havíamos acabado de ler Reinações de Narizinho e o assunto, aparentemente, havia se esgotado.

– Eu não sei, Yuki… – falei enquanto pensava – Tipo qual? – sondei.

– Pode ser aquela da Chapeuzinho Vermelho…- respondeu-me ele.

– Conte-me você essa historinha para eu saber se você entendeu bem o enredo.

E daí, ele me contou o que todos estão carecas de saber. Mãe, doce, Chapeuzinho, Lobo mau, vovozinha, caçador…

– Tudo errado, meu filho. Não é nada disso. – falei ao final. – Deixe-me eu te contar a verdadeira história. Para começar, jamais o Lobo chegaria primeiro na casa da vovó que a Chapeuzinho porque ela era campeã em corrida na escola e nem o Flash seria capaz de alcançá-la.

– Jura? – estranhou ele.

– Claro que juro. E eu já menti para você alguma vez?

E lá vamos nós…

Era uma vez, uma mãe muito trabalhadeira e que, por sua vez, tinha uma mãe que morava mais ou menos perto e que estava doente: a Vovozinha. Essa mãe pediu para Chapeuzinho, a campeã de corrida na categoria infanto-juvenil em 200 metros rasos e alguns quilômetros profundos, levar a marmita para a vovó.

No meio do caminho, ela encontrou o Lobo que estava não com fome, mas sedento por  uma companhia. O Lobo era um sujeito com uma conversa muito boa e extremamente simpático e foi logo se apresentando e puxando assunto. O sorriso,  não economizado por ele, encantou Chapeuzinho (que nunca ouviu os conselhos de sua mãe e adorava conversar com estranhos que, percebia Chapeuzinho, eram muito mais interessantes que os normais).

Papo vem papo vai, rolou um clima bom entre eles.

O Lobo possuía olhos grandes que observavam com doçura as falas de Chapeuzinho. Suas orelhas pareciam aumentar de tamanho ao ouvir de forma tão atenciosa tudo o que aquela menina explanava. O nariz do Lobo não acreditava que estava diante do melhor cheiro que havia sentido em sua vida. E a boca do Lobo, ah a boca do Lobo… era carnuda e profanava coisas em que jamais Chapeuzinho pensara a respeito… Meodeos, como o Lobo era inteligente…

– Mas ele não queria comer a Chapeuzinho? – interrompeu-me Yuki de forma certeira.

– Ô. E se queria, Yuki. – respondi olhando para o teto cheia de devaneios.

De repente, me dei conta (em tempo de não causar um estrago) que estava ao lado de uma criança. Então emendei:

– Mas não no sentido ruim da coisa, meu filho. No sentindo bem metafórico. Tipo assim, ele queria saborear Chapeuzinho mas como saboreamos um doce. Um sorvete, melhor dizendo, já que não mordemos e nem trituramos o sorvete e sim deixamos que ele se derreta todo dentro da gente. Entende? Percebe a diferença? Então…

Acabou que os dois se apaixonaram e Chapeuzinho convidou o Lobo para ir até a casa de sua Vovozinha. A Vovozinha era uma senhora muito cheia de medos e preconceitos. Ao ver sua neta com aquele sujeito diferente opôs-se sem pestanejar àquela união e começou um bate-boca daqueles na choupana. Foi um quiprocó dos diabos.

Sem que Chapeuzinho e o Lobo percebessem, Vovozinha pegou o celular e ligou para a milícia. Em poucos minutos, chegou o Caçador, apelido dado para o miliciano mais ignorante da região, que mal entrou no recinto já começou a atirar no Lobo.

– Ele morreu? – perguntou Yuki com carinha tristonha.

– Ah não, Yuki… O Lobo era faixa preta em Jiu-Jitsu. Imobilizou o Caçador sem muita dificuldade.

Depois, pegou a Chapeuzinho e foram viver em paz no meio de uma linda floresta.

Até hoje, nas noites de lua cheia, nova, minguante e crescente, há quem ouça uivos de felicidade da Chapeuzinho.