Voando como um Passarinho.

cefetbosque

Estava eu lendo em pleno bosque que fica no meio do CEFET no meu intervalo de tempo entre duas aulas. Na verdade, eu ainda trabalhava em silêncio. Quando gostamos do que fazemos nos tornamos escravos do que nos sustenta e nos sentimos felizes e condenados a não deixar de labutar mesmo quando repousamos embaixo das árvores numa manhã de inverno em pleno recreio. A despeito de ouvir mal, pude perceber com clareza vários cantos de pássaros invisíveis entre os ramos. Eu não sou dessas que sabem distinguir pelo assobio a raça do passarinho, digamos que jamais consegui ligar o nome à “pessoa”, salvos os Bem-te-vis e os pombos. Mas, confesso, gosto da minha ignorância neste e em outros determinados assuntos porque me parece que se soubesse associar um trinado ao pássaro que o emite perderia algo que se apreende sem o uso das palavras e que nenhum livro pode ensinar. Não sei descrever ao certo, mas aponto para alguma coisa da mesma natureza daquilo que passeia na memória da sensação de quando ainda éramos feto.

Observando aquela cantoria percebi que havia pelo menos uns quatro tipos diferentes de assobio. Além disso, o pipio se repetia depois de um breve intervalo. Será que eles conversam entre si mesmo sendo de raças diferentes? Por que repetem o mesmo assobio? O que será que significa para eles o silêncio? O que ocorre no intervalo de dois silvos? Uma reflexão? Há um bate-papo ou cada um canta para si mesmo? Se o barulhinho que fazem se repete, será que se trata de uma mesma pergunta a ser repetida indefinidamente? Algo como: Quem sou eu? Quem sou eu? Quem sou eu?. E o outro responde: E eu lá sei? E eu lá sei? E eu lá sei?. Ou seria uma afirmação que reforça o amor e amizade? Estou aqui! Estou aqui! Estou aqui!, e o outro responde: eu também! eu também! eu também! Ou…

Vai que o que acontece no meio dessas árvores é o mesmo que ocorre aqui embaixo onde ninguém se entende e cada um ingenuamente acredita na objetividade de cada proposição dita quando coloca a subjetividade como objeto para o outro e ainda formulam sentenças esdrúxulas como esta? Vai que eles são como nós que monologamos com o nosso interior em forma de sons articulados em direção a um ouvinte que apreende cada frase de uma forma diferente da que nós experimentamos quando a liberamos? Falo isso porque acho que é impossível exprimir pela via da linguagem o que em nós existe já que não há palavras que o revele; por isso, a música, a poesia, a dança, a pintura, a arte de forma geral que representa, na minha opinião, o desespero do homem em se fazer entender. Ou…

Vai que, como se realiza com os seres humanos, é no silêncio que tudo acontece já que a linguagem é a maior fonte de mal-entendidos e que cada gorjeio seja apenas um sinal de pontuação ou uma necessidade de se confirmar que os outros estão prestando atenção?: não concorda?, está me entendendo?, não lhe parece razoável?… coisas assim.  Ou…

Vai que a frase esboçada em forma de assobio seja tão linda que é melhor que seja repetida cem mil vezes do que dizer qualquer outra coisa? Ou vai que eles só nomearam uma coisa e isso lhes basta? Nós, bobos que somos, que nem aceitamos que as metáforas possam ser mais reais do que a nossa própria existência ou o chão que pisamos, ignoramos tudo o que não tem nome e acreditamos somente naquilo que pode ser chamado, por isso, dicionários cada vez mais grossos e entendimento que é bom…

Enfim, lá fiquei no meio daquelas árvores a observar aquele bando de passarinhos sem saber classificá-los. A ausência total desse conhecimento permeado de nomenclaturas acabou me fazendo vaguear por tantas interrogações. Talvez nenhuma enciclopédia possa nos ensinar aquilo que só podemos aprender quando somos saudáveis crianças ou adultos ignorantes – como eu – que se deixam levar pela investigação contínua e infinita da natureza de seja lá o que for e que não leva a conhecimento algum.

Acabei perdendo a noção do tempo no meio de tantas divagações. Vejam vocês, fiquei voando voando e voando e ainda tive que sair voando dali.

Tal como os passarinhos.

4 Comentários

Arquivado em Crônicas, reflexões

4 Respostas para “Voando como um Passarinho.

  1. Jackson

    Muito bom! Uma bela divagação! Lembrei de um trecho da música do Belchior; ” A gente se olha, se toca e se cala e se desentende no instante em que fala”

    Curtir

  2. Alice Garcez

    Achei que só eu prestasse atenção ao canto dos passarinhos e ficasse aqui tentando adivinhar o que tanto conversam. Da mesma forma que quando os cães da vizinhança latem, eu fico aqui no maior silêncio, observando os meus, imaginando o diálogo que travam, ou quando andando pelas ruas, vejo cães que as atravessam cruzamentos (curiosamente na maioria das vezes na faixa de pedestres) e seguem em frente, determinados, orelhas erguidas, como se soubessem de onde estão vindo e para onde vão. Como “cachorreira” que sou, chamo por um, brinco com outro, eles retribuem (cachorro sabe quem não lhes fará mal…) e seguem em frente, com a mesma obstinação. E eu fico cá pensando… onde irão? A uma reunião de amigos? Humanos ou cães? Estarão atrasados? Contarão do nosso encontro? E aquelas “maritacas” que todas as manhãs pousam, sempre em duas, no poste em frente à minha casa, todos os dias, sempre nos mesmos horários, durante não mais que 15 minutos, e conversam, conversam, riem, fazem uma algazarra tremenda e quando falo com elas dizendo “bom dia”, ou “até amanhã”, será que me entendem? Não vêm em busca de comida, pq ficam num poste muito alto… Diferente dos bem-te-vis que todas as manhãs vêm filar a bóia no pote de ração dos cachorros no meu quintal e depois ficam no beiral do telhado, chamando os que estão no alto das antenas de TV só esperando pelo aviso do mais esperto… E depois que se vão, chegam os pardais e fazem o mesmo ritual… Convivemos bem, mas há dias, que eu gostaria que os pássaros, as maritácas, os cães falassem comigo também! Do mesmo jeito que o Tuneba (o meu cachorro favorito) me ouve, me acarinha, me entende quando estou triste, brava, feliz… Um dia… quem sabe um dia!
    Amo-te Elika!

    Curtido por 1 pessoa

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s