Carta de Lula para o povo brasileiro sobre o segundo turno.

Carta de Lula sobre o segundo turno das eleições divulgada há pouco. Leiam leiam. Por favor, leiam:

“Meus amigos e minhas amigas,

Chegamos ao final das eleições diante da ameaça de um enorme retrocesso para o país, a democracia e nossa gente tão sofrida. É o momento de unir o povo, os democratas, todos e todas em torno da candidatura de Fernando Haddad, para retomar o projeto de desenvolvimento com inclusão social e defender a opção do Brasil pela democracia.

Por mais de 40 anos percorri este país buscando acender a esperança no coração do nosso povo. Sempre enfrentamos o preconceito, a mentira e até a violência, e, mesmo assim, conseguimos construir uma profunda relação de confiança com os trabalhadores, com as pessoas mais humildes, com os setores mais responsáveis da sociedade brasileira.

Foi pelo caminho do diálogo e pelo despertar da consciência cidadã que chegamos à Presidência da República em 2002 para transformar o país.

O povo sabe e a história vai registrar o que fizemos, juntos, para vencer a fome, superar a miséria, gerar empregos, valorizar os salários, criar oportunidades, abrir escolas e universidades para os jovens, defender a soberania nacional e fazer do Brasil um país respeitado em todo o mundo.

Tenho consciência de que fizemos o melhor para o Brasil e para o nosso povo, mas sei que isso contrariou interesses poderosos dentro e fora do país. Por isso tentam destruir nossa imagem, reescrever a história, apagar a memória do povo. Mas não vão conseguir.

Para derrubar o governo da presidenta Dilma Rousseff, em 2016, juntaram todas as forças da imprensa, com a Rede Globo à frente, e de setores parciais do Judiciário, para associar o PT à corrupção. Foram horas e horas no Jornal Nacional e em todos os noticiários da Globo tentando dizer que a corrupção na Petrobras e no país teria sido inventada por nós.

Esconderam da sociedade que a Lava Jato e todas as investigações só foram possíveis porque nossos governos fortaleceram a Controladoria Geral da União, a Polícia Federal, o Ministério Público e o Judiciário. Foi por isso, e pelas novas leis que aprovamos no Congresso, que a sujeira deixou de ser varrida para debaixo do tapete, como sempre aconteceu em nosso país.

Apesar da perseguição que fizeram ao PT, o povo continuou confiando em nosso projeto, o que foi comprovado pelas pesquisas eleitorais e pela extraordinária recepção a nossas caravanas pelo Brasil. Todos sabem que fui condenado injustamente, num processo arbitrário e sem provas, porque seria eleito presidente do Brasil no primeiro turno. E resistimos, lançando a candidatura do companheiro Fernando Haddad, que chegou ao segundo turno pelo voto do povo.

O que assistimos desde então foi escandaloso caixa 2 para impulsionar uma indústria de mentiras e de ódio contra o PT. De onde me encontro, preso injustamente há mais de seis meses, aguardando que os tribunais façam enfim a verdadeira justiça, minha maior preocupação é com o sofrimento do povo, que só vai aumentar se o candidato dos poderosos e dos endinheirados for eleito. Mas fico pensando, todos os dias: por que tanto ódio contra o PT?

Será que nos odeiam porque tiramos 36 milhões de pessoas da miséria e levamos mais de 40 milhões à classe média? Porque tiramos o Brasil do Mapa da Fome? Porque criamos 20 milhões de empregos com carteira assinada, em 12 anos, e elevamos o valor do salário mínimo em 74%? Será que nos odeiam porque fortalecemos o SUS, criamos as UPAS e o SAMU que salvam milhares de vidas todos os dias?

Ou será que nos odeiam porque abrimos as portas da Universidade para quase 4 milhões de alunos de escolas públicas, de negros e indígenas? Porque levamos a universidade para 126 cidades do interior e criamos mais de 400 escolas técnicas para dar oportunidade aos jovens nas cidades onde vivem com suas famílias?

Talvez nos odeiem porque promovemos o maior ciclo de desenvolvimento econômico com inclusão social, porque multiplicamos o PIB por 5, porque multiplicamos o comércio exterior por 4. Talvez nos odeiem porque investimos na exploração do pré-sal e transformamos a Petrobras numa das maiores petrolíferas do mundo, impulsionando nossa indústria naval e a cadeia produtiva do óleo e gás.

Talvez odeiem o PT porque fizemos uma revolução silenciosa no Nordeste, levando água para quem sofria com a seca, levando luz para quem vivia nas trevas, levando oportunidades, estaleiros, refinarias e indústrias para a região. Ou talvez porque realizamos o sonho da casa própria para 3 milhões de famílias em todo o país, cumprindo uma obrigação que os governos anteriores nunca assumiram.

Será que odeiam o PT porque abrimos as portas do Palácio do Planalto aos pobres, aos negros, às mulheres, ao povo LGBTI, aos sem-teto, aos sem-terra, aos hansenianos, aos quilombolas, a todos e todas que foram discriminados e esquecidos ao longo de séculos? Será que nos odeiam porque promovemos o diálogo e a participação social na definição e implantação de políticas públicas pela primeira vez neste país? Será que odeiam o PT porque jamais interferimos na liberdade de imprensa e de expressão?

Talvez odeiem o PT porque nunca antes o Brasil foi tão respeitado no mundo, com uma política externa que não falava grosso com a Bolívia nem falava fino com os Estados Unidos. Um país que foi reconhecido internacionalmente por ter promovido uma vida melhor para seu povo em absoluta democracia.
Será que odeiam o PT porque criamos os mais fortes instrumentos de combate à corrupção e, dessa forma, deixamos expostos todos que compactuaram com desvios de dinheiro público?

Tenho muito orgulho do legado que deixamos para o país, especialmente do compromisso com a democracia. Nosso partido nasceu na resistência à ditadura e na luta pela redemocratização do país, que tanto sacrifício, tanto sangue e tantas vidas nos custou.

Neste momento em que uma ameaça fascista paira sobre o Brasil, quero chamar todos e todas que defendem a democracia a se juntar ao nosso povo mais sofrido, aos trabalhadores da cidade e do campo, à sociedade civil organizada, para defender o estado democrático de direito.

Se há divergências entre nós, vamos enfrentá-las por meio do debate, do argumento, do voto. Não temos o direito de abandonar o pacto social da Constituição de 1988. Não podemos deixar que o desespero leve o Brasil na direção de uma aventura fascista, como já vimos acontecer em outros países ao longo da história.

Neste momento, acima de tudo está o futuro do país, da democracia e do nosso povo. É hora de votar em Fernando Haddad, que representa a sobrevivência do pacto democrático, sem medo e sem vacilações.”

E há quem ainda quem tente me convencer a mudar de partido. Orgulho da minha estrela. Uma honra estar ao lado dessas pessoas que lutam tanto pelo povo.

Até breve, meu presidente. O amor há de vencer o ódio.

Dez propostas que levaremos (inicialmente) à ALERJ:

 

header mini 250 3.png

1) Educação pública de qualidade é um direito que vamos proteger!

O governo PMDB tem como regra uma gestão de educação pouco democrática, ou seja, sem consulta à comunidade escolar e total ausência de diálogo com os movimentos sociais. O resultado disso é o quadro caótico em que se encontra a educação pública básica em nosso estado: nos últimos 10 anos foram fechadas cerca de 230 escolas estaduais; os planos de carreira dos profissionais da educação seguem defasados; não conseguimos avançar na construção de um plano estadual de educação; temos uma alta distorção idade-série; carregamos um dos maiores índices de evasão escolar do Brasil.

Enquanto toda a população clama por mais investimento em educação, por mais e melhores escolas, seguimos verificando o aumento do descaso em relação a tudo isso. Por isso, estamos juntos na luta por:

  • Criação de um programa emergencial para extirpar o analfabetismo funcional do Estado do Rio de Janeiro;
  • Garantir na educação básica a presença de arte e esporte, tanto como disciplinas próprias quanto como elementos a integrar possivelmente aulas de outras disciplinas, tendo em mente a interdisciplinaridade e o potencial humano do exercício artístico ou esportivo;
  • Aparelhamento das escolas de educação básica com WiFi aberto a todos para aproveitamento dos conhecimentos disponibilizados pela internet;
  • Garantia e ampliação das políticas de permanência dos alunos na educação básica, como a merenda escolar, e das políticas de acompanhamento da questão social do território e dos alunos e alunas, tendo em vista as problemáticas de acesso à escola e de evasão escolar;
  • Construção de um programa de elevação da qualidade da educação fluminense, com referência social, pressupondo a qualificação docente e do pessoal pedagógico de apoio, por meio de programas de nível superior stricto sensu, em parceria com as universidades, de forma que em uma gestão de governo todos tenham formação em nível de Mestrado, pelo menos.


2) Valorizar a educação é valorizar o professor!

Como professora, eu não poderia deixar de colocar um olhar atento sobre a valorização dos homens e mulheres que atuam no campo da educação. Estamos lidando com situações graves tanto no campo da educação pública quanto da privada. Os professores da rede estadual de educação travam uma luta ferrenha por valorização e melhores condições de trabalho há tempos. A situação, que já era ruim, piora com o aprofundamento da crise econômica e com o processo de sucateamento das instituições públicas de ensino em nosso estado, levando a meses de atraso no pagamento dos salários. Na educação privada, encaramos um triste fenômeno: o processo de “uberização” do ensino, onde professores são acionados para aulas avulsas, negligenciando a necessidade de construção da relação professor/estudante, fundamental para o processo de ensino-aprendizagem.

Continue lendo “Dez propostas que levaremos (inicialmente) à ALERJ:”

#ChegaDeAssédio

screenshot_20180821-173551_instagram8662554518012019919.jpg

Aqui em Madureira, no colégio Pensi, várias meninas usaram a rede social para relatar casos de assédio através da hashtag #AssedioÉHabitoNoPensi. O ato de denunciar teria sido incentivado por uma professora da própria escola e funcionou muito bem atingindo o trendig topics no twitter em poucas horas. Não tardou para que outras alunas de instituições como, por exemplo, o Miguel Couto no Méier e o CEFET no Maracanã também se manifestassem nas redes e nas ruas com cartazes e blusas vermelhas e pretas.

Esse caso me remeteu a um outro também iniciado nas redes sociais há três anos. A campanha #PrimeiroAssedio teve mais de 80 mil tweets e surgiu em apoio à menina de 12 anos que foi alvo de comentários de cunho sexual na internet durante sua participação em um reality show de culinária.

Vemos todos os dias casos de violência contra a mulher em seus mais variados níveis. Os números são assustadores e se há algo certo é que enquanto você está lendo esse texto várias mulheres estão sendo assediadas e estupradas.

Por que quando uma começa a falar aparecem milhares de outras atrás? Qual a explicação por detrás desse fenômeno?

Vamos entender: existe uma repetição da natureza da violência sexual contra a mulher como parte de uma misoginia institucionalizada e que resulta na contínua não penalização dos agressores em muitos processos.

A sociedade tende a corroborar com a famosa e maldita cultura do estupro que afirma de várias maneiras diferentes que a culpa é da vítima. Segundo pesquisa feita pelo IPEA em 2014, quase 60% dos brasileiros concordam com a afirmação de que “se as mulheres soubessem se comportar haveria menos estupros”.

Quando, porém, surge uma válvula de escape dada até mesmo na forma de uma hashtag onde mulheres não se sentem sozinhas, começamos a ouvir, literalmente, milhares de histórias. Sabemos que não é uma missão simples, indolor. Todas sabemos o quão difícil é se expor.

Concluímos que a média de  idade do primeiro assédio que sofremos não é quando já somos adultas, passamos batom e andamos de saia curta e salto alto na rua. A realidade é que a primeira vez que um homem comete essa violência é com meninas de nove anos e 65% dos casos são cometidos por pessoas próximas da família – muitos deles dentro da própria casa da vítima.

Mas o fato recente de encorajamento ao grito e à denúncia foi feito dentro de uma escola. Não faz sentido fixar o nome de uma somente já que o problema é endêmico. A Escola é uma das instituições que dão sustentação ao Estado patriarcal e ao sistema Capitalista. Cada vez mais se educa para o mercado de trabalho e cada vez menos para o pensamento crítico. Não sem motivo, quando começamos a debater os problemas de preconceito dentro das instituições de ensino, somos ameaçados até mesmo por projetos de lei que buscam amordaçar professores e professoras. Nada é por acaso. Tudo está conectado.

Já temos Estados no Brasil em que o governo decidiu instituir a obrigatoriedade da oferta de ensino religioso nas escolas. Tal decisão fere, inclusive, a constituição federal que determina a laicidade do Estado. Para tanto, as escolas do Rio Grande do Sul, por exemplo, estão tendo que diminuir carga horária de outras disciplinas e a opção tem sido cortar tempos de aula de sociologia e de filosofia, justamente por serem disciplinas que mais promovem o debate. Qualquer semelhança com a época da ditadura não é mera coincidência. O argumento de que a disciplina abordará a diversidade religiosa brasileira não procede pois diversidade religiosa já é um tema tratado nas aulas de filosofia, de sociologia, de história e quiçá de física. Não existe razão para a existência dessa disciplina além de transformar a escola num espaço de disseminação da fé cristã. Juntamente com isso, tivemos a retirada dos temas de diversidade sexual dos planos nacionais, estaduais e municipais de educação. Mais uma vez: nada é por acaso.

Por que estou dizendo isso? Porque tudo está conectado de verdade. A nossa saúde está ligada ao transporte que pegamos todos os dias para irmos ao trabalho, por exemplo. A violência está associada a falta de oportunidades e do tipo de educação que andamos recebendo dentro de casa e nas escolas – ou na ausência total dela.

A escola, o local onde todas e todos julgam ser o lugar do conhecimento e do ensino, também é um lugar onde se produz e reproduz violência. O assédio sexual cometido dentro delas é uma das grandes aflições que atingem meninas e jovens de várias idades. O problema está na própria sociedade demarcada pelo machismo da qual a escola também faz parte.

São quase 25 anos de magistério mais meus tempos como aluna sendo testemunha e vítima de diversos assédios, vendo professores e funcionários em posição de prestígio coagir meninas e mulheres.

O silêncio é a regra.

Nosso grito, exceção.

A média é que 80 % das mulheres que sofrem assédio preferem não prestar queixa.

A verdade é que temos medo. Medo de sermos reprovadas, medo de perdermos o emprego, medo de represálias, medo de passar vergonha e medo de levar a culpa, pois, o que mais vemos é o agressor nada sofrer após a denúncia e a mulher ser desacreditada e ridicularizada publicamente.

Quando crescemos e entramos no mercado de trabalho, queridas alunas, saibam: não estamos livres dessa violência. O machismo e o preconceito são estruturais. Muitas vezes envolvem não apenas a opressão de gênero, mas também a opressão de classe. Entendam, homens. que o assédio, assim como o estupro não é apenas o ato sexual em si. “Piadinhas” e comentários que nos colocam em situação de coação psicológica são enquadrados como assédio sexual. Não é nada fácil lidar com isso. Por vezes, ficamos deprimidas, desistimos de um curso, sofremos de ansiedade, não acreditamos no nosso próprio potencial,…

Quando voltamos para a casa após um dia cansativo, nós, mulheres, ainda temos que enfrentar muita coisa. Homens aproveitam os trens, metrôs e ônibus lotados para tocar nas nossas partes íntimas. Eles não entendem que o transporte é público, mas o nosso corpo não.

Isso tudo gera nojo, revolta. Porém, mais do que punir, o que mais precisamos fazer é desconstruir o patriarcado. Não quero andar armada e me tornar uma assassina para combater o estupro e o assédio. Há outros caminhos que indicam ser muito mais efetivos e duradouros; por eles andaremos. Precisamos debater em todos os lugares sobre igualdade de direitos, conscientização e empoderamento das mulheres. Mas, principalmente, dentro das escolas mais do que nunca.

Por isso, os “movimentos hashtag” devem ser vistos com toda a atenção. Eles nos mostram algo assustador. Quase 100% das mulheres são vítimas ou conhecem vítimas de assédio sexual que, como já falado aqui, muitas vezes ocorrem quando somos crianças. O medo e o risco são constantes justamente por não sabermos de quem e quando podemos sofrer um abuso.

Nem nas escolas estamos protegidas.

Nem nos hospitais.

Nem nas nossas casas.

Daí a expressão “todo homem é um estuprador em potencial”.

Acho bom que você, homem bonzinho e honesto, que se ofende com essa frase “todo homem é um estuprador em potencial avise a sua filha, a sua afilhada, a sua irmã e a sua mãe que todo homem é sim um estuprador e um assediador em potencial. Se tivessem me avisado isso com todas as letras, talvez eu não tivesse sofrido o que sofri com um médico, um vizinho e um desconhecido na rua. Todos me pegaram, me sarraram, botaram o pênis para fora… e, pasmem, quando eu ainda era criança.

Quando colocamos a boca no trombone e saímos gritando de forma uníssona seja nas ruas seja nas redes sociais não estamos querendo dizer que todos os homens são ruins. Estamos falando que precisamos do apoio de toda a sociedade. Estamos pedindo socorro e reflexão profunda sobre o tema porque há mulheres sendo estupradas e meninas sendo assediadas diariamente.

Algumas histórias pessoais:

9 anos. Fui fazer exame de vista. O oftalmo apagou a luz e mandou eu ler as letrinhas. A sala ficou muito escura. O médico segurou o meu braço e começou a me sarrar toda. Minha mãe estava na sala mas não viu nada naquela escuridão. Eu apavorada me calei. – ‪#‎PrimeiroAssedio‬

11 anos. Em Minas. Fui na beira do rio pegar capim para os porquinhos da índia. Um homem que estava passando abaixou as calças e começou a se esfregar todo em mim. Consegui me desvencilhar dele e corri gritando. Foi preso. – #‎SegundoAssedio‬

12 anos. No ônibus. Eu sentada sozinha um homem senta ao meu lado. Pega a minha mão com força e coloca em cima do pênis dele. Ameaça-me com um canivete. E eu sou obrigada a obedecê-lo. Mais gente entrou e ele parou e desceu. Fiquei em estado de choque. – #‎TerceiroAssedio‬

Acabou? Não. Mas acho que está suficiente.  A mente agoniza.

Para que todas as mulheres denunciem e digam basta para a violência, elas precisam se sentir seguras, acolhidas e aí está a última questão que gostaria de comentar. É importante o empoderamento entre nós, mas o poder público não pode se eximir do seu papel. A violência contra a mulher se dá por causa de uma opressão histórica de gênero dos homens em relação às mulheres em todas as esferas sejam elas públicas sejam privadas. Essa reparação precisa começar acontecer também e, principalmente, na escola com o apoio do Estado. É nesse templo que considero sagrado o local mais apropriado para debatermos as diferenças de direito e de tratamento na nossa sociedade. Não à toa, tenho sido alvo de críticas por quem defende um modelo de educação que se fundamenta na mera transmissão de conteúdos.

Não vou cair aqui na hipocrisia de dizer que a escola é neutra. Ser laica é uma coisa, neutra é outra. O meu conceito de educação inclui entender como funciona a sociedade e essa grande máquina chamada mercado de trabalho. Ou educa a favor dos privilégios ou contra eles, ou a favor das classes oprimidas ou contra elas. Ou para falar ou para ficar calado. E ambas as formas de educar são políticas. A primeira forma cidadãos-zumbis que acreditam que o mundo é assim, nada mais pode ser feito e só lhes resta ser mais uma peça substituível nesse sistema. A outra é a que eu defendo.

Por isso espero que tudo o que aconteceu nesses últimos dias seja amplamente discutido dentro das salas de aula, porque mais importantes do que o valor da força de atrito para que o bloco não desça num plano inclinado são os valores éticos e morais que levamos conosco em qualquer lugar pelo qual passemos.

Caindo de paraquedas na Assembleia

Elika PT

Ontem, no meio do Festival Lula Livre, fui freada, literalmente e metaforicamente, por uma mulher, petista, militante que fez questão de me dizer que não apoia a minha pré-candidatura por não acreditar que eu consiga fazer algo, se for eleita, tão bem como outras pessoas que ela conhece.

– Há muita gente na militância há anos muito mais preparada do que você para o cargo, ouvi. Para ser política tem que ter experiência. Não basta ser famosa na internet e cair de paraquedas na Assembleia. Tem que ter vivência de rua. O meu apoio será para essas pessoas que lutam há anos e não para quem apareceu agora do nada.

No que pese o respeito à opinião contrária e ao fato de eu sequer ter pedido o apoio dela para essa tensa e nova fase que estou vivendo, conforme a moça falava, eu me lembrava das inúmeras pessoas que apareceram na minha frente, muitas delas amigas e familiares, para me dizer de infinitos jeitos: “Não faça isso. Você não vai conseguir.”

Quando criei o meu blog “Minha Vida é um Blog Aberto” onde escrevo crônicas sobre os mais diversos assuntos e, sobretudo, falo de mim mesma, aconselharam-me a parar pelo perigo da exposição. Não só não parei como inscrevi várias crônicas do meu blog em um concurso nacional e hoje sou vencedora do Prêmio Saraiva de Literatura na categoria crônicas. Tenho um livro premiado homônimo ao meu blog: Minha Vida é um Blog Aberto e publicado por uma das maiores editoras do Brasil.

Quando fui fazer mestrado, ouvi da minha sogra na época: “tem certeza? Como vai dar conta de filhos, casa, trabalho e ainda fazer um mestrado?”. Respondi que ia diminuir minha carga horária nas escolas nas quais eu trabalhava na época. “Vai ganhar menos? O nível social de toda a sua família vai cair só porque você quer estudar? Acha isso justo?”, foram coisas que escutei.

Quando avisei ao diretor da escola particular na qual trabalhei que estava grávida da Nara, ele riu da minha cara, bateu palmas e me disse: “uma excelente maneira de acabar com uma excelente carreira é casando e tendo filhos”.

Quando fui fazer doutorado, ainda por cima mudando mais uma vez de área (sou graduada em física, mestre em história e doutora em filosofia), ouvi de colegas de trabalho e de muitos outros que me acompanhavam: “por que não fazer algo sobre Educação? Qual a necessidade de mudar de área? Você sabe que você vai concorrer com quem se graduou e fez mestrado em filosofia! Você tem esperança de passar numa prova de doutorado? Você nem sabe quem foi Platão direito!”. Hoje tenho dois livros publicados sobre Filosofia da Ciência para jovens e crianças: Como Enlouquecer seu Professor de Física e Isaac no Mundo das Partículas que virou até espetáculo infantil. Consegui fazer a conexão entre ciência, filosofia e educação na literatura.

Quando me matriculei no curso de italiano, já no meio do doutorado, com três filhos, casada e trabalhando, ouvi: para que estudar italiano se isso não vai te dar dinheiro nenhum e só vai te afastar mais ainda de seus filhos? Qual a necessidade disso? (Consegui fazer dois capítulos de minha tese que ficaram em altíssima qualidade por ter sido capaz de ler um livro que só tem em italiano e até hoje me deleito lendo literatura italiana no original).

Quando fui fazer a prova do Cefet estava terminando meu mestrado e grávida do terceiro filho. Ouvi de quem dormia comigo: “Só tem uma vaga e você não está dando conta de sua vida. Jura que vai insistir nisso?”.

Entendo perfeitamente que título não representa capacidade intelectual. O maior exemplo é Lula, mas temos outros infinitos por aí. Consigo compreender a preocupação da militante e repito aqui parte do que eu disse a ela:

– Não há regras para o sucesso. Assim como há políticos que estão aí há anos na prática e que nada fazem, é possível vermos pessoas novas entrando com muita vontade de fazer uma política diferente e isso precisa ser considerado.

Para ser uma boa representante do povo, precisamos entender sobre as pautas que estão em jogo e ter disposição para brigar por elas.

Estou pré-candidata a deputada estadual cuja principal função é propor, emendar ou alterar os projetos de lei que representem os interesses da população. Além disso, uma deputada estadual tem que fiscalizar o trabalho do governador, garantindo a boa administração do Estado, julgar anualmente as contas prestadas pelo Executivo estadual e fiscalizar outras ações administrativas. Mas o mais difícil não será isso. O desafio será enfrentar quem defende interesses contrários ao que eu irei representar. E é nesse ponto que, talvez, a moça tenha duvidado de minha capacidade.

Entendo perfeitamente também que estou fazendo parte de um grupo de renovação política vindo de uma camada privilegiada. Percebo, porém, que para falar sobre Educação Pública ninguém melhor do que uma pessoa que tenha sido professora da rede particular, da rede estadual e da rede federal de Ensino, que tenha passado pela vida acadêmica entendendo a necessidade do fomento à pesquisa e que esteja, atualmente, movida pela força do ódio vendo o sucateamento de nossas escolas e o avanço de projetos de lei que trabalham para dificultar a chegada das camadas mais pobres às universidades.

Sei que o mal-estar do Brasil e do Estado do Rio de Janeiro não será resolvido com vídeos no Facebook e muito menos textões como esse. Mas sim com políticas públicas que mostrem resultados. Para tanto, precisamos aumentar a nossa representatividade nas Assembleias, nas Câmaras, nos Congressos.

Se serei capaz, teremos que deixar o tempo mostrar isso. Não é mentira para ninguém que nunca militei organicamente nas ruas. Mas outro fato é que sempre fiz política a meu modo e sem paixão jamais andei.

Se os novatos e as novatas como eu terão que se adaptar para lidar com as complexidades de um governo, os arcaicos terão que se reinventar para lidar com essa cara nova que está chegando cheia de disposição e sem os vícios dessa forma antiga de se fazer política.

Vamos entrar pelo resgate do que há de melhor na política: a aglutinação de ideias, o respeito às instituições e o debate franco seja nas redes sociais seja nas ruas pelas quais, agora, tenho andado.

Com apoio ou sem apoio, farei o que sempre fiz: seguir em frente.

Doutrinação marxista (?)

 

48b9695de7c5aa9e0b92393b9c6b41b9

Agora a moda é dizer que as escolas estão doutrinando alunos porque ensinam Marx. Reinaldo Azevedo, famoso colunista da Veja, disse que “o Brasil precisa de menos sociólogos e filósofos e de mais engenheiros que se expressem com clareza” condenando, como fica claro, a inserção dessas disciplinas no Ensino Médio.

Não foi sem propósito que havia – e há ainda – em muitas escolas muito mais tempos de aula de física, química, matemática do que história, geografia e agora filosofia e sociologia. O papel da ciência na formação dos jovens brasileiros para quem fez esse currículo – que muito serviu à ditadura – deveria ser somente o de possibilitar o domínio de técnicas para a melhoria do processo de trabalho, e não o domínio de técnicas de pesquisa para a investigação da realidade social brasileira. A sociologia e a filosofia sempre foram vistas como um dos melhores instrumentos para a formação de indivíduos com capacidade de questionar, investigar e compreender a realidade social. Não foi sem propósito que foi banida na época da ditadura e que agora sua inserção está sendo criticada por filósofos de direita como Olavo de Carvalho e colunistas da Veja.

Ensinar sociologia sem mencionar Marx é como ensinar física sem mencionar Newton e Biologia sem falar em Darwin. Se apresentar as ideias de um grande pensador é errado, prendam-me, por favor. Estou dando ferramentas para meu aluno pensar!

Mas sim, concordo que exercitar o início de um pensamento crítico e/ou reflexivo que leve o jovem a perceber em alguns antes desimportantes detalhes, fatos ou frases, as contradições, as desigualdades, a realidade a sua volta e que assim esse aluno possa se perceber em seu grupo, como parte deste grupo, se individuar, se compreender e compreender as diferenças, enfim, concordo que fazer o adolescente pensar em conceitos como ‘desenvolvimento social’, ‘ progresso’, ‘liberdade’ e tudo o mais pode ser extremamente arriscado para essa direita que usufruía bastante do antigo currículo sem filosofia e sociologia quando muitas escolas apenas adestravam os alunos para fazer provinhas de vestibular.

No mais, tudo que escreve é em defesa da continuidade da sociedade capitalista e sua desigualdade. Mas, nesse sentido, para esses colunistas da Veja isso não é uma “doutrinação”. A verdade é que somos CON-formados a aceitar nossa sociedade desigual desde a hora que nascemos. Isso posto, penso que ensinar Karl Marx é ensinar a ir além da aparência dessa desigualdade, é olhar para a história da formação do capitalismo e ver a necessidade de desnaturalizá-la, no sentido de entender que é construção histórica e, portanto, pode ser modificada.

Olavo de Carvalho e seus pares têm mesmo muito para se incomodar…

Para finalizar, segue a publicidade veiculada no jornal “O Globo” do programa “Fábrica de Escolas do Amanhã” da Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro feita há pouco anos.

Screenshot_20180527-053034

Cabeças baixas, padronização e esteira de produção criam o forte significado de serialidade. Certamente, a analogia com o vídeo “Another Brick in The Wall” é imediata, pela serialidade da padronização dos estudantes como tijolos que formam o muro do sistema. A esteira está descendo o plano da foto, outra observação. Não há elevação de espírito com esse sistema literalmente cinza.

Entre isso e o que chamam de “doutrinação marxista”, o que é preferível para a mente de nossas crianças?

Coisa de petista

 

IMG_-yl39be

Você sabe por que a gasolina está aumentando, empresas de ônibus trabalhando com metade da frota, caminhoneiros parados e aviões sem decolar por falta de combustível? Antes de responder essa, outra pergunta: por que você bateu panela quando a gasolina era menos da metade do que está agora e hoje, diante esse caos, você está mudo? Vou tentar enfrentar essas indagações baseada em tudo o que ando observando.

Para tanto, alguns outros questionamentos:

Por que você disse que não aguentava mais a corrupção e colocou no poder os maiores corruptos? Por que você não enxergou naquele episódio triste do julgamento do impeachment (Pela minha família, por Deus, pela minha cachorrinha eu voto sim!”) que aquilo era um circo de horrores e ficou feliz com cada voto a favor do afastamento da Dilma mesmo vendo o nível daqueles discursos? Por que você desprezou o áudio de Jucá? Por que você, à luz de tudo o que está acontecendo, não acredita até agora que seja golpe e ainda hoje fala que “o importante é que não viramos uma Venezuela”? Por que fica feliz com a prisão de Lula mesmo sabendo que grandes juristas do mundo apontaram falhas gravíssimas nesta sentença e que há políticos comprovadamente corruptos soltos e contra esses você não manifesta ódio algum? O que o PT fez de mal para você?

Considere a possibilidade de você ter sofrido (como aconteceu em outras épocas da história) um tipo de lavagem cerebral a ponto de fazer com que você bata palmas quando direitos trabalhistas a duras penas conquistados lhe são retirados e que esteja vendo um único inimigo na sua frente: o “comunista” ou o “esquerdopata”.

É claro que o governo no PT não foi perfeito. Vide o nosso congresso. Foi com isso que Lula e Dilma tiveram que lidar. Justifica, porém, tamanho ódio? Como isso foi alimentado em você?

O golpe foi dado para acontecer exatamente o que estamos vendo. Há uma pauta que não beneficia o povo e que jamais seria aprovada pelo voto. Daí a necessidade de se tomar o poder pela força e de sucatear nossas escolas e universidades públicas.

Indo ao ponto da gasolina. Depois do golpe – e para isso também ele foi efetivado – iniciou-se em 2016 o processo de privatização da Petrobrás.

Surfando na onda do desgaste de imagem provocado pelos escândalos revelados pela Operação Lava Jato, o governo mudou – utilizando de um discurso de Salvador da Pátria – a política de preços praticados pela empresa. Na época, muitos escreveram sobre o quão prejudicial isso seria para o povo. A classe média deu de ombros porque “têm que acabar mesmo com o controle do Estado”.

Essa medida tomada por Temer fez com as variações de preço do petróleo no mercado internacional influenciassem diretamente o preço de nossa gasolina. Ou seja, mudanças lá fora ditaram o que era para ser feito aqui dentro. Felicidade para os neoliberais porque o governo ficou sujeito às regras do mercado, onde o principal interesse é a rentabilidade especulativa. Que se dane a contribuição da empresa para o desenvolvimento econômico e social de nosso país, assim pensam eles.

Ao mudar a política de preços, Temer sabia que os baixos preços do barril do petróleo seriam modificados em algum momento futuro. Se Temer não tivesse alterado a política do reajuste, as regras de como se dá o preço do barril, a gasolina não estaria custando hoje 5 reais o litro.

Então, você que tem medo do comunismo e se diz a favor do livre mercado, saiba que é isso que acontece quando o governo perde a autonomia de regular o preço das coisas produzidas aqui dentro. Investidor quer lucro. Estado deve visar o bem social acima de qualquer coisa.

Mas isso de Estado controlador é “coisa de comunista”. Então, se vocês odeiam o controle do Estado e é a favor de empresários governando no lugar de políticos que buscam diminuir a desigualdade social não pode mesmo bater panela porque tudo o que está acontecendo é o que você quer e, por isso, você está mudo.

Há tempo de acordar ainda. Acreditar que a gasolina está aumentando semanalmente porque estão tentando salvar a Petrobrás e resolver os problemas causados pelo PT é de uma ingenuidade sem tamanho.

Há possibilidade do preço do litro da gasolina diminuir? Acreditar nisso é acreditar em conto de fadas. Há um cartel dominando os postos de gasolina e o governo não tem mais como segurar esse valor pelas novas regras criadas depois do golpe.

Estado interventor e combater cartéis são coisas típicas de petista. Não sem razão, orgulho-me de ser pré candidata a deputada estadual por esse partido.

PT2

Carta para Lula

A24I2438

Querido presidente,

Escrevo daqui do meu cafofo de Madureira, exatamente no mesmo lugar em que estava quando você me ligou pela primeira vez. Era quarta feira de cinzas. Dona Marisa havia acabado de falecer. E você, meu presidente, após ler um texto meu e ter percebido que eu estava precisando de um abraço, foi a única pessoa que me ligou para dizer: “Querida, tenha força. Os tempos estão difíceis, querem nos calar, mas seja forte, receba meu abraço e meu carinho.”

A emoção, presidente, foi demais. Se Aécio tivesse me ligado eu teria ficado feliz por ser considerada por alguém que tem uma certa importância no cenário político. Mas ter sido você, o homem que tirou o Brasil do mapa da fome, que construiu diversas escolas técnicas de excelente qualidade e mais sei lá quantas universidades federais, por ser reconhecido no mundo todo por ter diminuído a desigualdade social em um país com a extensão do Brasil… olha, eu sou a suburbana mais honrada deste planetinha.

Quando resolvi me filiar ao PT e quis entrar para a política, pedi para conversar com você pessoalmente. Fui desencorajada de cara, lembra-se? Você me disse que assim que eu vinculasse meu nome ao partido e a minha imagem a sua, eu seria apedrejada porque as pessoas aprenderam a odiar cegamente. Você quis me proteger e eu neguei essa proteção porque fui atrás de sua bênção e não de escudo. Ao perceber que eu era um soldado pronto, você sorriu para mim e me abraçou com carinho. Colocou a mão na minha cabeça e eu me senti vestida com um capacete.

Depois disso, nos encontramos por aí em alguns palanques. No meio de tanta gente importante, você sempre me reconheceu e perguntou dos meus filhos e de Lucimar, a moça que trabalha aqui em casa.

Agora você está preso. Tiraram-lhe a possibilidade de interação com outros seres, o que você faz de melhor. Perde o povo com o seu silêncio porque suas palavras são como um bom cobertor no inverno e, dependendo de onde estamos, sentimos uma frieza danada aqui fora. Você precisa saber que a temperatura caiu. Neva em alguns pontos do Brasil, presidente.

Sigo apanhando por te amar. Por achar tudo que aconteceu demasiado injusto e que o mundo piora muito quando não deixam você agir e fazer mais pelo povo. Mas, ainda que esteja plena de hematomas, quando vejo o olhar de quem me ataca e ouço o discurso dos que me xingam, reafirmo meu amor a você e, mais do que isso, ao que você representa.

Estarei te esperando aqui fora. Para que você me veja e me reconheça no meio da multidão quando sair, darei uma dica: estarei de vermelho e de braços abertos. Não vai ter erro, presidente, porque eu também virei uma ideia. Você irá reconhecê-la.

Até breve, meu presidente.

Com todo carinho e toda a saudade do mundo.

Elika Takimoto