Buraco da Lacraia

show-buraco-lacraia.jpg

Ontem eu fui no Buraco da Lacraia, uma das boates gays mais tradicionais do Rio de Janeiro. Há 25 anos, a casa existe e há 4 temos o show “Cabaré on Ice” que eu não consigo definir com palavras o que é exatamente aquilo. Sei que já vi essa mesma apresentação umas 5 vezes e pretendo ver outras tantas… Depois do espetáculo, tem o famoso videokê onde as bichas arrasam. Adoro. Amo. E, de brinde, antes do Cabaré on Ice, tem Simone Mazzer, uma das maiores cantoras do Brasil dado seu tamanho e seu talento. Simone Mazzer já começa a acumular alguns prêmios importantes na Música Brasileira. Enfim, coisa boa em um lugar autêntico. O Buraco é apertado e pequeno mas super aconchegante.

Isso posto, gostaria de compartilhar um momento que vivi ontem ali. Após o show do Cabaré, Luis Lobianco (o que também está no Porta dos Fundos e integra o Cabaré) se dirigiu ao público mais ou menos com essas palavras:

– Hoje é um dia muito triste. Há uma semana, em um lugar exatamente como esse, 50 pessoas que estavam se divertindo como nós, morreram assassinadas. Eu trouxe a lista dos nomes de todos eles que tiveram suas alegrias estancadas de forma tão violenta. Enquanto eu leio esses nomes, peço para que todos pensem sobre o mundo que estamos vivendo e o que podemos fazer para melhorá-lo. O ódio venceu o amor neste dia, mas não podemos deixar que isso aconteça sem refletirmos sobre o momento atual. Então, lerei nome por nome enquanto pensamos juntos.

E assim começou a ler uma lista enorme. Silêncio sepulcral. Literalmente. Um clima sem definição tomou conta do lugar. Afinal, ficamos juntos quase duas horas chorando de rir com o show que havíamos acabado de ver e, de repente, uma pontada de dor a cada nome lido. Muitos começaram a chorar em silêncio. Empatia nível espírito-transcendental. Para finalizar, ele leu mais nomes de gays que morreram assassinados nesta semana aqui no Brasil. Pesado. Triste.

Climão.

O elenco inteiro, após o término da leitura, pegou um saco bem cheio e, aos gritos que o amor há de vencer tanto ódio, eles fizeram uma chuva de pétalas de rosas e purpurina em todos que ali estavam. Foram muitos abraços e beijos de várias espécies acontecendo ao mesmo tempo numa harmonia linda de se ver. Eu agarrei um viado maravilhoso de tão doce que me abraçou forte e me permitiu ficar um tempo naquele abraço.

Nara, minha filha, chorava rios e ganhou muito carinho dos gays, das sapatas, das bis, dos héteros e das héteras que estavam ao lado dela.

Bobos, idiotas, imbecis são todos os que falam mal de um ambiente como esse onde não há o menor indício de maldade no ar. Só amor mesmo. De qualquer jeito. De todas as formas. Porque assim tem que ser.

E há de ser…

1 comentário

Arquivado em Crônicas

Uma resposta para “Buraco da Lacraia

  1. Maria Luiza Ferreira de Rezende

    Elika, não tinha visto este texto no Face. É isso aí, estamos todos no mesmo barco, ou no mesmo planeta perdido neste universo louco. Todos, gays, heteros, pretos, brancos, jovens, velhos, todos. Bj

    Curtir

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s