Para Nara.

Eu gostaria de explicar para Nara, que anda angustiada no auge de seus treze anos com a falta de tempo, que não podemos fazer tudo o que queremos e, principalmente, na forma que queremos, tendo o dia um número de instantes pré-determinado.  Pensei em dar exemplos pessoais, mas percebi que através deles não mostraria a dimensão dessa proposição. Ela poderia acabar pensando que possivelmente isso seria uma limitação somente minha, continuar acreditando que possui super poderes e ter, por fim, a ansiedade centuplicada. Como fazer com que a Nara entenda que há felicidade num lugar onde faltam tantas coisas importantes? E mais, como mostrar que essa é uma lei universal contra a qual qualquer luta será em vão?
Compartilho, hoje, uma tentativa:
Minha querida Nara,
Tudo o que não é verão é comedido
e o que não é outono não se renova
… se não for inverno pode ser levado a sério?
Como se sentem os fotógrafos
Quando não estamos na Primavera?
É isso. Espero que ela me entenda…

5 Comentários

Arquivado em Filhos, poesia

5 Respostas para “Para Nara.

  1. Eu temo, você teme, nos tememos que nada resolverá, a não ser a experiência. Entretanto como mãe, ou pai, nos resta tentar, tentar e tentar. Beijos e fique com meus votos de sucesso. Sempre.

    Curtir

  2. Valeu, Djabal.A verdade é essa mesma. Ela não entendeu nada e segue morta de cansaço brigando com o diabo do tempo…Vou tentar um desenho… =)

    Curtir

  3. Élika, "tento" diminuir esta ansiedade, mostrando ao João Pedro as mudanças que ocorrem na natureza (no nosso caso, no cerrado), onde em cada estação é uma paisagem diferente e não adianta desejar ver o verde em julho. Ele não estará lá!como vc, nós "tentamos", e tbém não servimos de exemplos. E COMO DIZ O POETA: "É aos poucos que o escuro vai ficando claro". abraçosHelena Rusisca

    Curtir

  4. Oi Helena,EM breve nos encontraremos pessoalmente para trocar todas essas figurinhas!Interessante. Vocês aí no cerrado e eu aqui nessa selva de pedras.Dá-lhe internet! Vida longa a web!Beijos e seguimos na luta!

    Curtir

  5. Acho que já devo ter dito que não penso em ter filhos, mas uma questão que sempre me incomodou é justamente essa. Muitas vezes, não consegui fazer com que alunos, familiares e amigos absorvessem algo de valioso que pudesse acalmar suas angústias. É bem verdade que essa caminhada é pessoal e instransferível,e que me resta assistir a isso, mas com filhos, bate aquela aflição, pelo que ouço alguns pais relatarem…bjs milLuciana do Mazinho

    Curtir

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s