Coitado do Vitor…

en

Nara, minha filha adolescente, ontem veio me falar que vai passar o fim de semana fora acampando com os amigos em um sítio em Xerém.

– Quem vai? – perguntei porque sou mãe e tenho que saber das budega toda.
– Marina, Pedro, Mateus, Vitor, e eu. – respondeu ela prontamente.

Pensei um pouco e falei:

– A conta não está fechando…
– Mãe, que conta?
– Três meninos e duas meninas. Alguém vai sobrar…
– Mãe, não tem conta. Vou com meus amigos. – Disse ela seriamente me olhando como se eu fosse um sei lá. Um ET.

Fiquei chocada com a ingenuidade de Nara que vai fazer 18 anos em março! Não é possível… muito lerdinha…

– Isso não existe, minha filha. – tentei explicar mantendo a calma. – Quando a gente sai para acampar com os amigos na adolescência , como diria de uma forma que você me entenda…, quando a gente acampa na adolescência com os amigos… a gente… Tipo… Coitado do Vítor. Vai sobrar…
– Mãe, eu vou ficar com a Marina.

Que bom que Nara é normal. Que susto viu…

Arrumando a casa

Tudo em seu Devido Lugar

Hoje resolvi arrumar a casa. Coisa que nunca faço porque sempre tem algo melhor a se fazer, tipo dessarrumá-la mais ainda. Comecei pelo quarto dos meninos.  Aqui em casa, Yuki de 9 anos divide o quarto com Hideo de 22.  As baquetas de bateria do Yuki estavam em cima da guitarra do Hideo que estava na cama do Yuki repletas também de gibi da Mônica, livros do Ziraldo e CDs de bandas de rock que não consigo guardar o nome. Não sei de quem é o quê. Como dormiram hoje com tanta coisa em cima da cama? Ou depois que acordaram jogaram tudo em cima dela? Não entendo. Pela mesa, a dúvida persiste. Encontro partituras e desenhos feitos à mão do Angry Birds que não consigo identificar qual dos dois os fez. Os chinelos tanto do Super Homem quanto do Incrível Hulk virados de cabeça para baixo. Esses garotos querem me matar, pensei.

Desisto.

Vou para o quarto da Nara, minha filha linda que adolesce. Flores murchas em garrafinhas de água vazias nas janelas. Sei que não posso mexer. Ela gosta dessas coisas que mesmo depois de mortas têm uma forma própria e carregam história. Esmaltes em cima das letras de música do CD de Elis. Não entendo como ela lia enquanto mudava a cor de suas unhas. Rabiscos de química misturados com croqui de alguma coisa podendo ser qualquer coisa. Há vários gibis da Turma da Mônica Jovem na estante do quarto dela misturados aos livros lidos como os de Mishima e Rubem Fonseca. Não sei se estão em ordem cronológica de leitura. Maquiagem no meio das teclas do piano. Estaria ela solfejando um batom? Ou queria ela achar o tom das sombras?

Desisto.

Vou para meu escritório. É tempo de colocar ordem nessa budega. O livro de física segue mantido aberto por um menorzinho há meses: o Livro das Perguntas de Pablo Neruda. Poética a imagem. Ao invés de separá-los, peguei a máquina (Cadê ela? Ah ali!  Ao lado das folhas de papel ofício) e fotografei. Onde estava com a cabeça em deixar na mesma mesa Em busca do Tempo Perdido de Marcel Proust, 1984 de George Orwell e Vozes Anoitecidas de Mia Couto? O que Ítalo Calvino faz embaixo dos rascunhos? Caramba… que livro lindo esse do Calvino. Dei uma folheada e li quase metade dele. Fechei, levantei as folhas de rascunho (onde tenho algumas ideias anotadas de futuras crônicas) e coloquei Calvino na mesa. Cobri-o com meus repentes de novo. O bom de se esquecer das coisas é que posso fazer surpresas para mim no futuro. Não vejo a hora de encontrar Calvino de novo no susto. Por que Esconderijos do Tempo de Mário Quintana está junto de meus diários de classe? Que livro é esse dele que não me lembro? Nossa. Que lindo… li todo de novo. Levantei Felicidade Clandestina de Clarice Lispector na quina da mesa e vi três multas. Coloquei Lispector rápido de novo onde estava para acabar com aquela visão do inferno que me deu até taquicardia. Cartão de crédito bloqueado para desbloquear, caixa de chocolate em forma de livro que ganhei da Alice e dentro dela… nada. Comi tudo. Coloquei o cartão bloqueado dentro de onde estavam deliciosos bombons e deixei tudo como estava. Gosto de lembrar da Alice.

Desisto.

Fui para meu quarto. Lá, na minha cama, nos reunimos todos para conversar. Livro de fábulas, blusa usada com cecê  da Nara que chega se despindo e deitando ao meu lado, meia chulezenta do Hideo embaixo do meu lençol, pijaminha de hot whels do Yuki e minha camisolinha da Pepa foram todos para seu destino certo: espremidos ali no canto pórque daqui a pouco vamos usar de novo. As roupas sujas foram para o cesto onde encontrei um cinto que Hideo há tempos procurava. No banheiro, na pia, vejo meu caderno de anotações. Não entendo como foi parar ali, mas abro para conferir. Notas de reuniões do grupo de pesquisa em Filosofia com aulas de Física Quântica. No cantinho está escrito: paixão melhor nutella, se não nutella como sabella?

Desisto.

Parei de arrumar a casa e vim aqui escrever essa crônica.

Caixa de Bombons

Caixa-Bombons-Gold-Trufas

Ontem a noite, em plena terça-feira depois de minha aulinha bombadésima de dança de salão na Tijuca, fui pegar Nara e Hideo, meus filhos de 17 e 22 aninhos, na Freguesia onde eles estavam ensaiando para a peça que entra em cartaz no próximo final de semana “Cabaré Opus305”. Vale observar que em 2015, depois do término de um casamento de mais de vinte anos com meu primeiro namorado, passei por uma crise de depressão que me imobilizou durante quase seis meses e a dança de salão foi usada como remédio. Super funcionou. Agora tenho um novo grupo de amigos, já consegui ir ao cinema sozinha pela primeira vez na vida e tenho feito o que der na telha. Sair ou ficar em casa são coisas que atualmente faço em paz. Povoei, enfim, o meu deserto.

Pelo fato de eu ter me reerguido e voltado a viver com alegria, novidades andam acontecendo. Pessoas têm se aproximado e eu tenho permitido. Enquanto estava me sentindo extremamente só, evitei ao máximo qualquer tipo de contato, principalmente com homens. Viver a dor da solidão foi necessário e eu sabia disso. Caso contrário, ia cometer a mancada de sair por aí buscando alguém que me complete, a famosa outra metade, e acredito que para viver a dois, antes, temos que ser um inteiro.

Isso posto ainda que de forma extremamente resumida, ontem ganhei uma caixa de bombons e, voltando ao primeiro parágrafo e conectando as histórias, assim que Nara e Hideo entraram no carro, eu mostrei para eles o regalo toda feliz e contente.

– Vejam! Vejam! O crush está se chegando esbanjando fofura!

– Qual deles? – perguntou Nara que é giga antenada com tudo o que acontece comigo. – O que nasceu em 20 de janeiro ou 19 de Fevereiro?

Nara agora anda nessa de astrologia para meu total desgosto. Eu, como amante de física e ciências em geral, chegada a uma lógica e a uma coerência, abomino qualquer religião. Imagina se euzinha aqui mega inteligente vou aceitar a ideia de que meu comportamento pode ser moldado pela posição dos planetas… Aff. Mas história que segue:

– O que nasceu 20 de Janeiro às 10:40h da noite com ascendente em Aquário.- respondi.

– Você sabe que os capricornianos com esse ascendente são meio desapegados, não?

– Nara, perceba a fofurice. Ganhei bombons agora pouco e durante o dia ganhei coraçãozão no uátisápi. E todo mundo sabe que emoticon de coraçãozão é para começar a escolher a decoração da igreja.

– Mãe, precisamos conversar. Chegou a hora de termos um papo reto. Conversa séria. – disse Nara com um tom hiper assustador.

– Pode falar.

– Os homens costumam se aproximar da gente quando querem sexo. Fazem gracejos, dão bombons, flores, mas eles querem sexo, ok? Essa história de príncipe encantado não existe, certo? Isso é conto de fadas, mãe. A realidade é outra!, você está me entendendo?

– Nara, nem todos os homens são assim, minha filha. – expliquei para ela olhando para o céu estrelado pela janela do carro.

– Mãe, caraca!, me ouve. Depois você vai sofrer e vir para mim toda bagação. Ouve a sua filha que tem mais experiência que você. Sua vida, mãe, está apenas começando e eu tenho a obrigação de abrir os seus olhos!

– Mas, Nara, ele tem sido tão atencioso…

– Claro que sim, mas que fique claro o motivo! Daí, se você quiser ir aos finalmentes tudo bem. Mas não vai iludida pelamordedeos!

– Minha mãe não faz sexo, Nara! – gritou, de repente,  Hideo que estava dirigindo.- Minha mãe é uma santa! Parem com essa conversa que eu vou surtar e eu não tenho dinheiro para terapia! Minha mãe não faz essas coisas! E mudem de assunto que eu quero falar algo importante com vocês. Mudem de assunto!!!!

– Pera que ainda não terminei com ela. – interrompeu Nara cheia de atitude – Mãe, e embora eu saiba que você tenha as trompas ligadas, você tem que usar camisinha. Você vai me prometer que vai usar camisinha. Não se iluda com o perfume dele e nem se ele sair do chuveiro para cima de você com cheirinho de sabonete!

– Ai que eu vou surtar com essa conversa! Nara, minha mãe não precisa desses conselhos! Minha mãe não vai passar por isso!!! – urrava Hideo. – Né, mãe?

– Hideo, cala a boca! – salvou-me Nara. – Mãe, ouve: você não se iluda com homem cheiroso, está me entendendo? Você não sabe por onde ele andou!!! Doença sexualmente transmissível não é brincadeira.  Você para com essa mania de ficar sonhando, por favor! DST é uma realidade que temos que encarar nesse mundo que você está entrando!

– Que entrando, Nara! Só ganhei uns bombons e estou feliz. Só isso!

– Ai meodeos, mãe!, não é só isso!!! Onde foi que eu errei com você que você não consegue enxergar as coisas mesmo eu sendo clara???  Promete pelo menos para mim que vai ficar esperta?

– Ok. Prometo. Pode falar agora, Hideo.- cortei para o Hideo já que estava ficando desconcertada com aquela conversa.

– É o seguinte – começou ele animado – pintou uma oportunidade de eu transar na sexta mas eu preciso que você me empreste o carro para isso. – explicou assim o problema com a maior naturalidade.

Mas gente… antes de eu ter filhos, eu li tudo quanto é revista de psicologia para ser uma boa mãe, aprender como dialogar com eles e bababá bububú. Mas nenhuma tinha esses exemplos especificamente ou nada parecido para eu usar como um guia. Estava tontinha da Silva Takimoto.

– Pode ficar com meu carro, meu filho. – falei pensando na logística de todos nós. – Conte comigo. – disse fofa fofa fofa super mãe miga, descolada e moderninha.

Mas pequei como sempre tagarelando muito mais do que devo:

– O rapaizinho dos bombons vai me pegar em casa na sexta para passearmos.

– Ah não, mãe! Ah não! Promete que não vai ceder para eu poder sair sem crise de consciência! Promete, mãezinha. – implorou Hideo com cara de desespero.

– Mãe, se joga! – disse Nara.

Enfim, eu não sei exatamente o que ando fazendo em relação aos meus filhos. Não sei se posso chamar isso que eles andam recebendo de mim de educação. Dá a entender, quando comparo por aí com outros lares, que o bagulho aqui tem outro nome. Mas uma coisa é certa: não há calça legue que seja mais sincera que a nossa amizade e muito menos parque de diversão que se equipare com o que construí com eles aqui.

E quanto a caixa de bombons que recebi…  Que tudo seja tão surpreendente quanto ela que me fez virar os zóio a cada mordida.

*-*

Peixes com Ascendente em Escorpião.

en-horz

– Nara, conheci uma pessoa. – disse eu super fofa e mãe miga para minha filha adolescente.
– Que dia ele nasceu? – perguntou ela que agora está com essa mania ridícula de astrologia que eu sempre abominei.
– Para que você quer saber isso?
– Para saber como ele é.
– Eu te falo aqui. Ouve.
– Que dia, mãe! Que dia!!!
– Ai caceta. Não importa! Ouve aqui.
– Mãe, que dia. Dia, mãe!!!!
– 20 de Janeiro.
– Que horas?
– 10:40h da noite. – falei na lata com cara de assustada.
– hmmmm. Deixa eu ver aqui. Pera.

Nara pensa.

Começo a ficar tensa.

– Pode ir. Super vai dar certo.
– Valeu.

Ufa.

Nem quero ir para lugar nenhum não, mas como assim eu sei o dia e a hora que ele nasceu e não sei o nome completo do crush?!? Como assim? Em que momento Nara me estragou por completo??? Onde foi que eu errei com essa pisciana com ascendência em escorpião e o diabo da lua em Sagitário, Vênus em Aquário e Marte e Mercúrio em Áries?

Nós, aquarianos, não acreditamos em signos! Socorro!!!

Filhos que não me obedecem: uma dádiva por mim conquistada.

ynh

A imagem do filho obedecendo os pais sempre foi, para mim, um exemplo a não ser seguido. Não sei se faço certo ou errado, mas muitas pessoas têm me perguntado como consegui essa relação de cumplicidade e amizade com meus três filhos que têm idades completamente diferente (hoje, Yuki está com 9 anos, Nara com 17 e Hideo com 22). Pelo fato da pergunta estar se repetindo, resolvi pensar na educação que dei a eles e concluí que eu jamais me importei ou precisei exigir que eles me respeitassem ou obedecessem.

O verbo obedecer significa “ato pelo qual alguém se conforma com ordens recebidas. Autoridade, mando, domínio. Sinônimo de submissão.” Deus me livre… Se o que se busca é respeito, penso eu que isso só é conseguido se o outro lado for respeitado também. Assim como faço com qualquer pessoa, respeito meus filhos e as opiniões deles em tudo. Como mãe, fico atenta às habilidades a serem exploradas, às vontades a serem aprofundadas, ao talento – seja lá para o que for – que pode aparecer a qualquer momento e precisar de um empurrãozinho para emergir.

Não quero que filho nenhum me obedeça. Não me sinto apta a comandar a minha vida quanto mais a dos meus filhos. Se eles tiverem que me obedecer é porque, de alguma forma, assim penso, eles foram podados ou castrados por mim e devem agir de acordo com os meus interesses. Eu passo ser autoridade se tiver que impor a minha vontade e fujo disso já que abomino qualquer tipo de autoritarismo. Filho meu não “tem que” me respeitar e muito menos me obedecer.

Quero que meus filhos tenham luz própria e não sejam sombras de outras pessoas muito menos de mim. Quero que eles sejam eles mesmos, reconheçam as suas vontades e tenham em mim um apoio para conseguir segui-las. As decisões são deles. “Mãe, posso…?” sempre busquei trocar por “Mãe, quero…”. Eu apenas pondero alguma coisa que acho relevante observar, mas as rédeas estão com eles. Quer matar aula, mata. Quer fumar, fuma. Quer fazer teatro, faça. Quer vender arte na praia, venda.

Como disse, não sei se faço certo ou errado, eu simplesmente não consigo agir diferente por aqui. Sei que operando assim tenho, de fato, construído uma relação que muitos têm elogiado. Vale observar que aqui vira e mexe a casa cai. Discussões homéricas são comuns nesse teto, mas nada que em algumas horas tudo volte ao normal. Não é novidade que existe uma quantidade exorbitante de jovens que se drogam. Pelo que afirmam os especialistas da área, muitos desses têm algum problema de relacionamento com os pais que exigem, de uma forma ou outra, obediência. Daí que esses meninos são praticamente forçados a seguir uma determinada profissão certamente pela questão financeira, proibidos de atender aos seus instintos e compelidos a adiar seus sonhos. Seus planos vão ficar a espera de um momento ideal para colocá-los em prática quando saírem da casa dos pais. A solução para esse inferno: as drogas. Isso posto e observado, penso que mesmo que transformemos nossa casa em um ringue de luta quando brigamos – coloquemos assim –  de igual para igual,  filho meu se um dia se drogar não vai ser por minha causa. Disso eu tenho total certeza. Não estou podando a asa de ninguém, pelo contrário, aqui eu só encorajo o voo. Não quero que eles andem no trilho, quero que eles percebam sempre que podem ir para qualquer lugar – como um trem descarrilado –  com o meu apoio.

Então, eu acho que pelo fato de permitir que eles sigam as suas próprias vontades e de criar um ambiente de condições favoráveis e saudáveis para que isso ocorra, acabo conquistando o tal do respeito sem, contudo, ser autoritária e, muito menos, fazer deles seres obedientes. Penso que o dia que  meus filhos se comportarem bem por medo e não por vontade própria eu terei falhado como mãe.

Pela última vez, não sei se estou certa ou errada. Mas uma coisa é fato: não há parque de diversão que se equipare com o que construí com Yuki, Nara e Hideo.

SONY DSC

Balanço Geral

IMG_0301

Hoje a postagem vai ser um pouco diferente. Vou lhes contar uma história que está somente começando:

Nara, minha filha adolescente, que já apareceu em N textos aqui no Minha Vida é um Blog Aberto, canta. E muito. Como um passarinho que vê a primavera. Desde os seis anos toca piano e desde os quinze já canta em público, digo, para os amigos. Eu, de forma despretensiosa, sempre gravei e compartilhei vídeos dela na internet no intuito de dividir felicidade, pois, todos sabemos que felicidade dividida é felicidade multiplicada.

Seguem abaixo os links com alguns vídeos que fizemos da Nara. Eu os organizei em ordem cronológica, então, tecnicamente eles vão melhorando na ordem dos vídeos.

Esse foi o primeiro que fizemos dela. Ela tinha 14 anos e nunca havia tido aula de canto. (Música: Mambembe de Chico Buarque)

https://www.youtube.com/watch?v=fmc3LODAsFw

Essa foi a primeira vez que ela se apresentou em público no auditório do CEFET. Nunca havia tido aula de canto. A galerinha aplaudiu de pé. Daí eu vi que ela emocionava muito a platéia. A partir desse dia, ela tomou gosto por se apresentar em público (Musica: Deixa de Vinícius de Moraes):

https://www.youtube.com/watch?v=sV8R_KI_bcA

E como eu gosto de inventar, mesmo sem ela “saber cantar tecnicamente” eu já criava uns videozinhos com ela aqui de brincadeira (música: Lisbela de Los Hermanos):

https://www.youtube.com/watch?v=cqCAegrWw50

Esse foi outro que fizemos (música: Valsa dos Clowns de Chico Buarque):

https://www.youtube.com/watch?v=kNIdSaxhEcA

Mais um. Neste, dá para ver bem como ela é teatral (música: Violeira de Chico Buarque):

https://www.youtube.com/watch?v=vksMXVtvARw

Esse foi em uma festa. Sempre somos convidados para tocar em festas de amigos e essa foi uma apresentação que emocionou muito a platéia (Música: Escravo da Alegria de Toquinho e Vinícius de Moraes):

https://www.youtube.com/watch?v=sTrCs14kmw8

Esse foi o tecnicamente mais perfeito, já resultado das aulas de canto. Ela estuda com Chiara Santoro no estúdio VOCE (Música: Vida de Chico Buarque):

https://www.youtube.com/watch?v=RowmUf0Yu24

Nada que se equipare em vê-la cantando ao vivo. Por onde ela passa, Nara emociona e muito. Fiz, porém, um vídeo que acabou viralizando na web. Estávamos passeando em Minas em uma fazenda quando percebemos que as vacas estavam nos olhando. Eu, sempre com a câmera em riste, falei para a Nara cantar. No mínimo, teríamos um vídeo engraçado:

Este último vídeo viralizou nas redes sociais, como já disse. Pelo fato da Nara ser vegetariana, primeiramente, ele caiu na graça dos sites que defendem os animais. Logo depois, o Não Salvo fez um péssimo uso do vídeo sem a minha autorização. Compartilhou na página deles Nara cantando para as vacas, mas debochando da “nossa ignorância”. A postagem foi tão grosseira que acabou dando espaço para que pessoas que não nos conhecem proferissem até palavrão contra nós. Xingaram a minha filha, vejam vocês, por causa de um vídeo pleno de beleza e alegria como esse. Mas… acabou que isso deu mais ibope para a gente e o Jornal Extra pediu para mim autorização para compartilhar este último vídeo na página deles. Autorizei. Logo vieram mais xingamentos. Daí, então, munida de uma intuição-porreta, fiz um comentário dizendo que sou a mãe da Nara e que o intuito do vídeo era tão somente divertir e emocionar. Se havia gente incapaz d e perceber e se irritar com isso, paciência.

A postagem deles com o vídeo da Nara cantando para as vacas bombou mais do que reportagem da Dilma e de outros artistas (está lá, só conferir)! Ao perceber tamanho alcance, a rede Record entrou em contato comigo (por causa do comentário no Jornal Extra em que havia me retratado como mãe da Nara) pedindo autorização para fazerem uma matéria com a gente para a Nara e eu contarmos a história do vídeo. Ao final da matéria, levariam a Nara para um outra fazenda para ela cantar para mais vacas e ver se o efeito seria o mesmo. Essa seria a brincadeira/desafio.

Aceitei com uma condição: que deixassem Nara cantar uma música ao vivo no meio da reportagem. Condição aceita, tudo agendado. A equipe viria aqui em casa para fazer a primeira parte da matéria.

Porém, quando o repórter Rael Policarpo aqui chegou, admirou-se com a família de músicos que tenho. O pai, que sempre toca ao lado dela, estava com o violão assim como Hideo, meu filho bacharel em guitarra. Yuki, meu caçula de oito anos no pandeiro e a festa, então, estava feita. Rael mudou o foco da matéria na hora dizendo que o vídeo ia ser da família como um todo.  Belezura.

zcnbvzbcvzer  zhfg znvb

Foi chegado o momento que eu havia pedido: Nara cantaria uma música ao vivo. Terminada a música (eu completamente emocionada derramando lágrimas e mais lágrimas sinceras que levantarão, certamente, o ibope do programa), o repórter Rael Policarpo se surpreendeu mais uma vez. Disse que Nara é algo muito maior do que eles estavam imaginando. Ele, então, ligou para a produção relatando o que havia acabado de ver e sentir. A produção, a seguir, me pediu vídeos dela (que foram esses que coloquei no início dessa história para vocês) para eles avaliarem.

Vídeos devidamente assistidos e o convite para que participemos ao vivo diretamente do estúdio surgiu. Neste instante, as vacas já ficaram em segundo plano. O programa vai mostrar a Nara! Muuuita emoção aqui. Ainda assim, para continuar a brincadeira, fomos para uma fazenda em Itaguaí gravar a segunda parte da matéria.

Na van já tivemos várias gravações.

zbvc

Yuki, vejam vocês, aproveitando a oportunidade, resolveu fazer uma entrevista com o entrevistador Rael Policarpo​ na van para o Canal dele no YouTube. Os rapazes não acreditaram em tamanha fofurice e gravaram a nossa gravação da reportagem sobre o repórter e, depois, Yuki Câmara entrevistou o câmera Teixeira. 🙂  Se vocês quiserem conferir como ficou tudo isso…

Chegamos, então, na fazenda e a brincadeira continuou:

zbvxc
zcx
zde
zqwe
zx
zxcv zxcvb

Por enquanto é isso, o resto será ao vivo.

SEXTA, dia 7, na Record, de meidia às 14:30h, no Programa Balanço Geral.

O que vai vir depois disso, como diz o mestre Rubem Alves, só o futuro dirá.

Era isso. Queria compartilhar com vocês tamanha experiência e emoção. Afinal, Minha Vida é um Blog Aberto.

Agradecimentos para lá de especiais ao repórter Rael Policarpo por ter aberto essa porta.