Quente como uma Geladeira

gelo

Antigamente, a gente colocava nossos tênis encharcados atrás da geladeira de noite e de manhãzinha eles estavam esturricados de tão secos. O mundo funcionava desta forma mega esquisita. E ficávamos extremamente felizes em viver em um lugar onde até mesmo nossos sapatos eram tratados com calor por algo que nasceu para fazer gelo. Diziam para nós, agora veja, que isso estragaria o fabuloso eletrodoméstico porque ele não havia sido feito para aquilo, a dizer, trabalhar de forma contrária a sua essência. Mas eles mentiam descaradamente quando diziam isso e a prova de que o mundo era extremamente surpreendente era que nunca ninguém jamais viu um refrigerador pifar por termos descoberto, digamos, que ele possui outras naturezas e que a despeito de serem contrárias aos olhos dos físicos e dos engenheiros, não eram para nós. Nós que, de vez em quando, usávamos o final do dia para nos livrarmos de algumas sujeiras utilizando sabão, muita água quiçá cantarolando algo na certeza de que no dia seguinte estaria tudo pronto para caminharmos com os nossos tênis que de tão nossos possuíam internamente o formato de nossos pés.

E sempre era assim. No outro dia, pegávamos os calcantes decididos sem nos importar o quanto éramos esbofeteados pela vida. Por um momento, eles não eram apenas uma preocupação a menos, pois driblávamos a ciência e isso nunca foi pouca coisa. Nenhum problema social nem moral, nem a miséria no mundo ou guerra de classes, nem a ditadura e as crises nas artes, nada passava pela nossa cabeça quando olhávamos para nossos calçados secos a não ser calcar com eles o chão de um globo que nos pertencia. Daí, a rigidez de nossos passos, o orgulho de nossas atitudes e aquele ar de tranquilidade…sim, a felicidade já foi para nós um par de tênis que usufruiu de uma mágica, de um suspiro de esperteza. Como nos sentíamos astutos e capciosos ao arrastar a geladeira e tirarmos de suas costas, devidamente enxuto, o que tornava possível a conexão com o chão álgido, cruento, duro, desumano e impiedoso tão cheio de pedras e sujeiras e sempre a postos para punir os que insistiam em andar com os pés nus!

Nos dias de hoje,  isso, pelo que tudo indica, não é mais possível. Mudaram a estrutura externa das geladeiras de forma que não há mais como dar outro sentido a sua existência a não ser congelar, esfriar, resfriar, manter gélido e válido o que nos alimenta. Não há mais lugar  para  pendurarmos alegremente nada esperando alguma quentura nem que seja daquela forma ligeiramente furtiva.

Frias por dentro. Inúteis por fora. Assim elas se tornaram.

Então, olhando agora  para o meu all star pingando e tendo que contar com sabe lá quantas tardes de outono para secá-los e para que eles me ajudem a empurrar o mundo para trás e este, como já disse Isaac Newton, empurre-me para a frente,  pergunto-me não se estamos progredindo tecnologicamente, pois, quanto a isso não tenho dúvidas, mas em que sentido podemos dizer que estamos evoluindo, se de alguma forma não há mais lapsos de chama dissimulados, secretos, servis e vis na nossa moderna cozinha.

Eu, que poderia ser levada aos céus pelas mãos de um anjo ou ao inferno pelas mãos do capeta, sem resistência em ambos os casos e sem que, no primeiro, coubesse-me alguma glória, nem a menor desonra no segundo, e tão obstinada a jamais retroceder, trouxe meus tênis para o meu escritório onde estão todos os meus livros. Coloquei-os atrás da torre do desktop.

Vai que todo esse silêncio agitado e contido pelas capas fechadas de todos esse volumes somado a tanta energia que passa por todos esses fios me surpreendam pela manhã…

4 Comentários

Arquivado em Crônicas

4 Respostas para “Quente como uma Geladeira

  1. Anônimo

    O seu talento de extrair tanta riqueza de coisas aparentemente simples e corriqueiras me agrada demais. Sempre gostei disso nos escritores que admiro, e você faz isso de um jeito que é só seu. Mas preciso fazer um comentário: dá pra fazer uma analogia entre dois níveis de leitura do texto. Um deles é esse que eu comentei: você fazer a gente pensar em um monte de coisas interessantes a partir de um enredo aparentemente banal e trivial que é querer secar tênis recém-lavados pra usá-los logo, de novo. Ou seja, explorar o enredo pra além de seu sentido mais comum. Mas o outro nível é o do enredo em si: explorar uma máquina pra além do seu uso mais comum. Uma coisa reforça e intensifica a outra. Eu gosto muito desse tipo de correlação entre níveis de leitura. E não é à toa: acho que nascem muitas coisas dessa superposição, ou melhor, dessa interligação. Rola um jogo muito legal no pensamento. Tipo um motor: gera movimento. Outro ponto bem legal: a ênfase ao que escapa às normas e, por isso mesmo, amplia as possibilidades da vida. Ah, a geladeira não permite mais secar tênis atrás dela? Não importa, vamos continuar acreditando que haverá outras formas não óbvias de se fazer isso.

    Curtir

  2. Claudia

    É verdade! Que horrível não temos mais como secar nossos tênis nem atrás da geladeira nem embaixo do fogão, que por sua vez a ‘carenagem’ chega até o chão, sem possibilidade de deixar os tênis embaixo enquanto assamos um bolo! Que terríveis mudanças de design e avanços tecnológicos! 😛

    Curtir

Participe! Comente você também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s